Posted Março 30, 2015 by equipetribuna in Paulínia
 
 

Sandro Caprino rebate informações caluniosas

"Puro 'achismo',já que não foi instaurado até o momento nenhum procedimento apuratório",diz o vereador

“Puro ‘achismo’,já que não foi instaurado até o momento nenhum procedimento apuratório”,diz o vereador

Em razão de ter sido mencionado de forma sórdida e maquiavélica em publicação virtual, presidente da Câmara vem a público, em respeito a cidadania, esclarecer fatos que buscam apenas denegrir sua imagem e reputação ilibada visando antecipar o debate eleitoral de 2016, já que em sondagens feitas por grupos adversários, seu nome surge naturalmente com grande expectativa de um novo tempo para a cidade.

Amigos meus;

Não é de hoje que é grande a importância do Ministério Público com o que nos congratulamos. Porém, sabe-se também que em alguns casos o nome da instituição tem sido usado por oportunistas para atingir seus desafetos com acusações sem nenhum fundamento.

Esse é o caso da referida situação. Escreve o notável autor do texto, que eu, Sandro e os demais podemos responder por improbidade.

Puro “achismo”, já que não foi instaurado até o momento nenhum procedimento apuratório, essência do trabalho no MP, que se encontrar indícios, produz uma peça acusatória, baseada em provas e a submete ao judiciário, de quem é a exclusividade para julgar pessoas comuns, autoridades, empresas, governos e demais.

Logo, percebe-se a nítida intenção de jogar com as palavras, quando o texto se desenvolve e vai para a legenda da foto que ilustra a tal matéria onde diz “poderá ser condenado”. Muito bem, imaginando no terreno das hipóteses também se deveria afirmar “poderá ser inocentado”.

Chega. Da matéria só isso comprova a insanidade de quem a escreveu.

Com relação aos fatos tornados públicos cabe ainda afirmar que o MP citado “poderá abrir” investigação e se caso for aberta, não há o que se apurar e tampouco condenar. Tenho a mais absoluta certeza.

Na prática, todos de Paulínia devem saber que se tais atos fossem “ilegais” não teriam nunca assinatura ou apoio deste vereador, cuja história de vida pública é um testemunho vivo de retidão. Depois, saibam todos quanto se interessarem pela matéria que independentemente de circunstâncias políticas, a Secretaria de Negócios Jurídicos de Paulínia é integrada por quadros altamente competentes que jamais permitiriam ações ao arrepio da lei, a menos que decorram de interpretações com conotação político partidária, ao que o MP e Justiça não vão se curvar.

Quanto a menção de pagamentos feitos a empresas com problemas na Justiça é oportuno salientar que o bom direito público ensina que decisões interlocutórias não interrompem efeitos de atos jurídicos perfeitos, cuja não aplicação causaria irreparáveis prejuízos à população e erário.

Ressalte-se que esse vereador, ocupando o cargo de prefeito interino por 48 horas, jamais ordenou despesas, apenas pagou o que já estava programado pela equipe técnica do Executivo, sem ter feito uso de nenhuma verba carimbada no período ou através da transposição de receitas. Assim sendo, caberá a quem faz essas afirmações estapafúrdias, provar o que diz.

Em face do exposto, lembro que é necessário separar o joio do trigo e dar fim ao denuncismo criminoso e irresponsável que tanto tem atrasado a vida da comunidade.

Somos à favor da apuração cabal de toda e qualquer denúncia procedente mas nos indignamos com notícias fabricadas cujo interesse é o de tentar prejudicar pessoas inocentes.

Repito: As ilações contidas na matéria publicada no Correio Paulinense, sob o título: “JUSTIÇA”, beiram as raias do absurdo pois se baseiam em interpretações subjetivas de quem nunca soube como funciona o serviço público.

As despesas pagas por mim no exercício do cargo de prefeito, decorrem de contratos feitos com o titular que saiu, no tempo desse interino que aí está, e que naquele momento deveriam ser quitadas através de atos legais, relacionados a inúmeras áreas de governo. Nada mais.

Assim espero, com tranquilidade o desenrolar de mais essa tentativa de envolver-me em atos inidôneos, para no momento certo e no fórum apropriado apresentar as minhas razões, com a mais absoluta convicção da lisura desses e todos os demais atos levados a efeito por mim na difícil missão de agente público, cuja história de vida fala por si própria.

O restante é consequência de atitudes de inconformados que não suportam a ideia de renovação que as sondagens feitas apontam para o cenário em futuro próximo.

. . .




equipetribuna