Posted outubro 10, 2016 by Tribuna Paulínia in Destaques
 
 

Kiko Meschiatti é eleito com maior número de votos e poderá ocupar a presidência da Câmara

untitled-1Em sua segunda tentativa à uma vaga no Legislativo paulinense, o candidato do PRB obteve 1724 votos e poderá ter sua estreia coroada com a presidência da Casa de Leis

O domingo, dia 2 de outubro, foi um dia de muita comemoração para o empresário Roberto Aparecido Meschiatti, o Kiko (PRB). No dia em que ocorreram as eleições municipais, ele foi eleito o vereador com o maior número de votos em Paulínia: 1724. Em segundo lugar ficou Fábio Valadão (PRTB) com 1713, seguido de Dú Cazellato (PSDB) com 1413.
Essa foi a segunda vez que Kiko pleiteava uma cadeira na Câmara Municipal. Em 2012, concorrendo ao cargo pelo PCdoB, ele recebeu 842 votos e não conseguiu se eleger. Agora, ele obteve uma expressiva votação, mais que dobrando seu último número, e afirma que essas eleições corresponderam à sua expectativa. “Além da minha família que me apoiou em todo os momentos, tenho uma equipe que eu chamo de ‘família 10 mil’ [em referência ao seu número na urna eletrônica] à quem eu devo a minha vitória. Em todos os momentos eles estiveram do meu lado, desde a campanha passada. Tentamos corrigir os erros e viemos com muita força de vontade. O resultado foi esse. Eu atribuo a minha eleição ao trabalho e parceria deles. Agradeço à Deus e à eles por ter conseguido”, afirma.
Sobre ser o mais votado dessas eleições, Kiko diz que assim como ele, a população pede por mudança. “Sempre fui muito ativo na minha vida. Não sou de esperar as coisas caírem do céu e acredito que quando as pessoas me conhecem, já logo percebem minha personalidade. Acho que Paulínia precisa mudar e talvez os eleitores tenham visto isso em mim. Quero fazer do meu mandato um instrumento de mudança na política de Paulínia”.

Planos
Para Kiko, os quatro anos a seguir serão de muito trabalho. Segundo ele, Paulínia precisa de ações imediatas no setor de geração de empregos. “Vejo que podemos diminuir esse alto índice de desemprego que a cidade possui. Temos meios para isso. Precisamos também dar uma atenção especial para a mão de obra feminina (que segundo o senso é a maior classe desempregada) e para os adolescentes, (que hoje não possuem um programa que os incentivem ao primeiro emprego) ”, ressalta.
Na opinião do futuro vereador, a Câmara precisa ser mais ativa na questão de elaboração de projetos de lei e ele fará a parte dele. “Além de fiscalizar o Executivo, o vereador é eleito para isso: ouvir o que a população tem a dize e estudar a melhor forma de ajudá-la. É essa a confiança que colocaram em mim e farei o que for preciso para honrá-la”, reforça.

Tem história
Kiko é paulinense nato. Nasceu na cidade e viveu sua infância no Jardim Flamboyant, conhecido como “Nosso Teto”. Filho de agricultores, ele ajudou seus pais, Genival e Maria de Lourdes Meschiatti, nas lavouras do sitio de seus avós (João Meschiatti e Virginia Beraldo) localizado em Betel até os 17 anos, quando iniciou sua jornada servindo o Exército Brasileiro.
Após servir o país, Kiko desenvolveu a função de servente de pedreiro. Logo, ele conseguiu uma vaga para trabalhar na Bann Química e seu currículo o levou para outras empresas, como Syngenta e Grupo Orsa (hoje, International Paper).
Kiko sempre foi muito popular e rodeados de amigos, o que fez com que a política entrasse para sua vida. Ele foi convidado a participar da legislatura da Câmara entre os anos de 2005 e 2009, quando foi assessor político.
Sua experiência profissional somada aos estudos e conhecimentos na área, fizeram com que ele desse um passo à frente e abrisse uma empresa do ramo de indústria química.
Hoje, aos 39 anos, empresário bem sucedido, casado com Suellen e pai do Guilherme e Maria Fernanda, Kiko acredita que sua jornada na política está apenas começando. “Sinto que tenho muito o que fazer pela cidade que foi tão generosa comigo. Vou retribuir e concentrar todos os meus esforços para que Paulínia seja uma cidade cada vez melhor”, disse.

. . .




Tribuna Paulínia