Posted Fevereiro 13, 2017 by equipetribuna in Meio Ambiente
 
 

Contrato emergencial garante mais 90 dias de coleta de lixo

A Corpus receberá R$ 13.378.621,14 para continuar atuando na cidade por três meses

Prefeitura de Paulínia pagará à Corpus R$ 13,3 milhões pelo trabalho desenvolvido nos três meses de vigência. Licitação para contratação de nova empresa está em andamento

A Corpus Saneamento e Obras Ltda continuará com a responsabilidade da limpeza urbana de Paulínia por pelo menos mais três meses. Mesmo com seu contrato vencido desde 21 de janeiro, a Prefeitura solicitou, através de um contrato emergencial, que a empresa continue operando por mais 90 dias, prazo previsto para que seja concluída uma nova licitação. O valor do contrato emergencial é de R$ 13.378.621,14.

O Semanário Oficial do município de quinta-feira (9), apresentou os extratos de dispensa de licitação e o contrato entre a Prefeitura e a Corpus. De acordo com informações da publicação, o contrato foi formalizado no dia 3 e ainda poderá ser alterado ou prorrogado.
No final do ano passado, a Corpus deu início ao desligamento de funcionários por meio de um programa de demissão voluntário. A ação foi negociada com sindicatos que representam as categorias e teve o objetivo de adequar o contrato aos serviços executados na cidade.
Na ocasião, a previsão era demitir 250 funcionários, entre eles trabalhadores da equipe de combate à dengue em Paulínia, além de motoristas e auxiliares de limpeza e outros que atuavam no hospital. A ideia era enxugar o quadro de 800 funcionários e os serviços prestados para suportar a crise financeira da Prefeitura.
Alguns dos funcionários demitidos tinham 14 anos de trabalho na Corpus em Paulínia. Na época, o governo municipal informou que o contrato com a empresa custava R$ 5 milhões por mês e se encerraria em 21 de janeiro deste ano.
Segundo aquele governo, uma nova licitação para a área do lixo e limpeza urbana na cidade já estava em curso. A abertura dos envelopes das concorrentes deveria ter ocorrido no dia 11 de janeiro, mas não aconteceu.

. . .




equipetribuna