Posted Março 1, 2017 by Tribuna Paulínia in Colunas
 
 

Coluna Politicando: A ‘OPOSIÇÃO’ DOS BOATOS

A ‘OPOSIÇÃO’ DOS BOATOS

Boato não é notícia, esse preceito jornalístico deveria ser melhor entendido e mais bem praticado pelas pessoas. Mas, quando não é falta de entendimento e sim má intenção, então, podemos classificar quem se dá ao trabalho de espalhar mentiras como: ‘fofoqueiro irresponsável’. Infelizmente, é o que vem enfrentando o vice-prefeito de Paulínia, Sandro Caprino.

O BOATO

Andam espalhando por aí que Sandro Caprino está cassado ou que perderá seus direitos políticos por ter assumido a Prefeitura no lugar de Edson Moura Junior justamente quando três transferências volumosas saíram dos cofres públicos. Mentira! Espalhar esse tipo de informação só pra causar instabilidade no governo é jogar contra a cidade!
VAMOS AOS FATOS

E contra fatos não há argumentos: Caprino assumiu o lugar do prefeito afastado por ser presidente da Câmara, fez pagamentos vinculados a conta de impostos para o Hospital, para a Pauliprev e para os estúdios de cinema. Não houve ingerência, nem irresponsabilidade. As transferências citadas nos boatos, somando quase R$ 17 milhões, foram consideradas crimes por desvio de finalidade, mas, executadas pelo então prefeito Moura Junior, não por Caprino.

 

POLÍTICA BAIXA

Esse tipo de jogo político irresponsável e de baixo nível só servem para desgastar o governo. Oposição séria é bem diferente. Não estou aqui para defender ninguém, mas, o que é justo, é justo. E eu penso na cidade como um todo. Por isso, sou da opinião de que é preciso parar com essas picuinhas, essa coisa de querer derrubar ‘na mão grande’, porque isso não contribui com a cidade. Se ele deve, vai pagar. Está nas mãos do judiciário! O que a gente tem de fazer é cobrar o que realmente é devido de cada autoridade e pra isso, é preciso dar tempo ao tempo. Fiscalizar é um dever, mas, enganar a população só pra prejudicar a imagem de um homem, que além de pessoa pública é pai de família, é desvio de caráter!

 

RESPONSABILIDADE

O objetivo de todo mundo agora deve ser o de acertar a cidade, de ajudar Paulínia a superar a instabilidade política pela qual passou nos últimos quatro anos. A população bem sabe o quanto a administração pública deixou a desejar enquanto saía e entrava prefeito. Se é pra fazer oposição, que seja séria e responsável, não baseada em boatos! A eleição foi ganha, o resultado está aí, e independente do candidato para o qual se vota, a prioridade é a cidade onde vivemos. Então, vamos respeitar e fazer a nossa parte bem feita.

 

CEI NA CÂMARA

Conversei essa semana com o vereador Kiko Meschiatti sobre a Comissão Especial de Inquérito das doações de áreas públicas, instaurada após aprovação unânime na Câmara. Ele disse que uma empresa vai auditar as doações e que se provado qualquer tipo de irregularidade, o patrimônio deve voltar a ser do município.

 

PATRIMÔNIO PÚBLICO

Segundo presidente da CEI, o vereador Kiko, a retomada do patrimônio é essencial para que ele seja doado a quem realmente o merece e precisa: a população paulinense. Obviamente, existem questões jurídicas a serem analisadas, mas, o vereador já me disse que a intenção dele é obter de volta essas terras doadas irregularmente para zerar o déficit habitacional de Paulínia, ou chegar perto disso. Eu apoio, porque sei que além de moradia digna, uma ação assim gera emprego, renda, movimentação financeira em toda a cidade. Parabéns pela intenção, vereador!

 

CRISE DE IDENTIDADE

Paulínia sempre teve um chamariz turístico, mas, que nunca conseguiu ser emplacado realmente. No passado era rodeio, motocross, depois vieram os passeios no bosquinho e mini- pantanal, aí chegaram os grandes carnavais, depois o cinema… tudo começou grande, com pompa, projeção nacional e acabou no silêncio, uma verdadeira crise de identidade. Mas, que começa a dar sinais de recuperação.

 

FOCO DO TURISMO

Conversei essa semana com o secretário de Turismo, Davi Rodrigues, e aos poucos, a movimentação turística recomeça a ganhar força, focando, primeiramente, em proporcionar atrações para a população local. Isso é bom. Para este ano, cuja situação financeira ainda está complicada pela crise nacional, já temos o carnaval nos bairros e já existem esforços da Administração para voltar a termos rodeio e para reabrir o ‘bosquinho’, fechado desde 2014 por recomendação do Ministério Público.

 

PORQUE É IMPORTANTE

Vale lembrar que quando a cidade oferece lazer de qualidade, a população não precisa procurar entretenimento fora e acaba gastando seu dinheiro aqui, além de usufruir de espaços públicos estruturados e bem equipados que atraem também visitantes da região. Além de cuidado com a cidade, esse investimento gera bons retornos para a cidade.
FEBRE AMARELA

Tenho recebido muitas reclamações no meu e-mail sobre a questão da vacina da Febre Amarela. Houveram dois casos na cidade, contraídos em outra cidade, mas, que resultaram em uma morte. Então, as pessoas têm buscado a prevenção para tentar viajar em paz. No entanto, apenas duas UBSs estão centralizando a aplicação em Paulínia, a do Centro e a do São José. O problema é que são apenas 50 vacinas por dia – fornecidas pelo governo do Estado – e as pessoas têm passado a noite em filas na tentativa de conseguir a imunização. Essa maneira de tratar a população é desumana, principalmente, em casos como o que recebi esta semana: a família viajaria à Minas Gerais no Carnaval e cancelou o passeio por que após três tentativas, duas madrugadas e uma noite inteira na fila da UBS, não conseguiu a vacina há tempo, os dez dias antes da viagem. Pior: não havia sequer um comunicado para a população. É preciso rever esse atendimento e espalhar as vacinas para as demais UBSs, afinal, como fica quem mora longe e ainda precisa passar a madrugada na fila?

. . .




Tribuna Paulínia