Posted maio 30, 2017 by equipetribuna in Colunas
 
 

Coluna Politicando: Uma decisão inédita está repercutindo em Paulínia, com um detalhe estranho: contas de ex-prefeitos reprovadas com uma abstenção

BASTIDORES
Muito da política é decidido nos bastidores, nas conversas entre vereadores e com o prefeito. Quando uma discussão vai à plenário… já decidiram sobre ela. A votação é um ato simbólico e nesta semana uma decisão inédita está repercutindo em Paulínia, com um detalhe estranho: pela primeira vez, a Câmara de Paulínia seguiu a orientação do Tribunal de Contas do Estado e reprovou as contas dos ex-prefeitos Edson Moura e Pavan Junior. O detalhe estranho é que um dos vereadores resolveu se abster…

O DETALHE ESTRANHO
Em votação, as contas dos ex-prefeitos foram rejeitadas pelos vereadores, a não ser pelo vereador e ex-líder de governo da administração de Pavan, Fabio Valadão. Ao invés de aprovar ou reprovar as contas de ‘seu então líder’ ou do concorrente, Valadão resolveu se abster, ou seja, previamente decidiu não se responsabilizar nem pelo sim, nem pelo não. Não é estranho? Um vereador que fez parte da administração, que era líder do governo, que fez campanha pela reeleição do ex-prefeito, agora não se posicionar? Quer dizer que se Pavan tivesse sido reeleito ele também ia se abster? Será? É estranho!

A REALIDADE NUA E CRUA
Não bastasse as contas rejeitadas dos ex-prefeitos, o que mostra que seus governos deixaram a desejar, a administração atual, de Dixon Carvalho, vai de mal a pior. E, já existem dois grupos de olho no cargo máximo do Executivo: um apoiando o atual presidente da Câmara, Du Cazelatto (e por isso essa rejeição das contas não me convence e faz pensar que é apenas poder pelo poder) e outro grupo de apoio ao vice-prefeito, Sandro Caprino, que já rompeu com o Dixon por não concordar com o desmando e a incompetência do atual chefe do Executivo, um dos piores ou o pior que já houve em Paulínia.

INSUSTENTÁVEL
De um jeito ou de outro, o que eu percebo é que o atual prefeito não tem apoio e que sua administração é cada vez mais insustentável. Até os vereadores estão começando a enxergar isso – tanto que já estão engessando Moura e Pavan – e é possível ver claramente que Dixon pode ter seu governo interrompido, seja por causa de suas contas ou pelas denúncias de superfaturamento. Em todo caso, duas novas situações estão se desenhando: Sandro assume se a cassação de Dixon vier da Câmara Municipal e por improbidade administrativa e Du Cazelatto sobe se o prefeito cair por reprovação das contas da campanha. Depois, teria de chamar novas eleições.

QUESTÃO DE PREPARO
Independente de quem venha no lugar de Dixon, é importante lembrar que a pessoa precisa estar capacitada para assumir o governo de Paulínia com vontade e coragem de driblar a situação caótica a que Dixon conseguiu afundar Paulínia em menos de seis meses de mandato. Em situações como esta, por exemplo, ninguém pode se abster, afinal, abster significa sim ou não? Na vida política, se já não existe lealdade e tudo se resolve nos bastidores, a pessoa precisa, no mínimo, ter o comprometimento de gerenciar bem os recursos públicos.

ESPERANÇA NA JUSTIÇA
Eu tenho esperança, sinceramente, com a atual situação em que se encontra a política do nosso Brasil, com as prisões uma atrás da outra, que o pessoal de Paulínia fique esperto e faça mandatos mais conscientes, visando a dignidade das pessoas, porque eu não tenho dúvida de que o Gaeco, a Polícia Federal e o Ministério Público estão fiscalizando tudo – o que acontece e não acontece – e prontos para dar o bote, afinal, como disse o vereador Kiko Meschiatti, há várias indicações dele e de outros vereadores que já foram enviadas para a Prefeitura e nada acontece. Além disso, o Portal da Transparência de Paulínia é uma piada: só lançam o que querem e quando querem…

REFLEXO NAS REDES SOCIAIS
Enquanto esperamos a justiça aparecer para mudar a direção desse governo que não tem gestão e não tem um líder, nós vemos nas redes sociais que envolvem a cidade, as atrocidades que estão acontecendo em Paulínia na Saúde, na Educação, nos serviços básicos de ruas, e, não sou eu quem está falando… as redes sociais registram tudo e está aparecendo cada vez mais gente reclamando, solicitando e até se humilhando, pedindo que a administração faça alguma coisa para melhorar a nossa cidade.

REFLEXO NAS ruas
Já teve até gente tapando buraco nas ruas em Paulínia, isso porque apareceu uma doação suspeita de uma empresa para a Prefeitura… doou, veio alguém fazer o serviço numa semana e na outra, o buraco já estava aberto de novo. Não sei onde tudo isso vai parar, mas, eu estarei aqui para continuar fiscalizando e apontando os problemas da cidade, sempre com críticas construtivas, porque não tenho problema pessoal com ninguém e não podemos nos acovardar e é o mínimo que espero ver na Câmara Municipal também, afinal, estamos numa cidade pequena, nos conhecemos e devemos manter isso enquanto é tempo. Fica a dica!

HOMEM DE SORTE
Agora, só queria fazer um registro. Pavan é mesmo um homem de sorte: o pai dele foi prefeito e depois de sua morte, ele conseguiu se tornar prefeito também. Aí, surgiram as derrotas nas eleições com Edson Moura e só depois que Moura entrou em sua história, ele voltou para a Prefeitura. Primeiro, porque Moura o convidou, fez campanha junto, e depois porque mesmo perdendo pra Moura Junior, Pavan governou sem ser eleito. Na última vez, ele perdeu pra Dixon por pouco mais de 500 votos, mesmo tendo a máquina a seu favor. Ainda sobre a sorte de Pavan, é a primeira vez que reprovaram politicamente as contas dele na Câmara Municipal de Paulínia e o Valadão, que foi seu líder de governo, se absteve. Pensa na sorte que é ter alguém parceiro assim… ou não… será uma nova maré? A de azar?

. . .




equipetribuna