Posted junho 6, 2017 by equipetribuna in Colunas
 
 

Politicando: A saída de Ricatto marca a quinta exoneração em cinco meses de Dixon na Prefeitura e há quem diga que há mais dois!

QUINTO SECRETÁRIO PULA DO BARCO
Dixon está quase para pedir duas músicas no Fantástico! Mais um secretário que resolver abandonar o barco furado dele e serão seis baixas para testemunhar o quanto a sua incompetência afeta negativamente a direção da administração municipal de Paulínia. Dessa vez, sua mão direita durante quatro campanhas e de governo, o secretário Aristides Ricatto, foi quem pediu exoneração. E mais, garantiu que fará de tudo para tirá-lo de lá. O que será que Ricatto tem a nos revelar?

ALGUMA COISA ESTÁ ERRADA… SÓ PODE!
A saída de Ricatto marca a quinta exoneração de secretários municipais em cinco meses de Dixon na Prefeitura e nos bastidores há quem diga que na semana que vem serão mais dois! Alguma coisa está errada e está mais que na cara, afinal, porque as pessoas escolhidas pelo prefeito não aceitariam assinar embaixo suas decisões? Ricatto, por exemplo, chefiava a Secretaria de Governo, uma das mais importantes de qualquer administração. porque é um cargo de extrema confiança. Agora, se o o homem escolhido a dedo por sua lealdade não serviu para o cargo, quem mais poderia exercê-la? A população precisa refletir sobre isso!!!

OS MOTIVOS DOS BASTIDORES
Aqui ao lado você lê tudo o que Ricatto falou durante a coletiva de imprensa, com mais alguns detalhes apurados pela reportagem do Jornal Tribuna, mas, vale registrar que nas conversas de bastidores, Ricatto não aguentou os desmandos e a soberba de Dixon depois de ter sentado na cadeira de prefeito. E tudo isso mostra a situação que ficou o governo, porque Ricatto vem falando com todas as letras que pede desculpa por ter apoiado uma pessoa desse jeito e do caos que ele vem causando na cidade.

DENÚNCIAS… ALÉM DO MAIS
Enquanto o prefeito age como se fosse blindado, Ricatto foi enfático em dizer que fará algumas denúncias às autoridades competentes. Não sei do que se trata, mas, a gente vê claramente supostos superfaturamentos na compra dos ovos de chocolate para a Páscoa e no contrato de R$ 13 milhões da merenda escolar e que a Prefeitura paga a mais se o aluno quiser repetir o prato de arroz com ovo… enfim, já venho falando disso aqui faz tempo também e fico me questionando quando é que vamos ver a Câmara Municipal, o Ministério Público, a Polícia Federal e o Gaeco se pronunciando sobre essa situação caótica!

AS BAIXAS DIZEM MAIS TAMBÉM
Não é possível que o judiciário de todas as esferas não esteja notando que além das denúncias, o pedido de exoneração dos secretários municipais e do afastamento voluntário do vice-prefeito, Sandro Caprino, dizem muito sobre os rumos que a administração pública de Paulínia vem tomando. Vão esperar o quê? Gravações? Delações premiadas? Umas das cidades mais ricas do Brasil falir? Se quiserem começar por algum lugar, temos aí um portal da transparência vazio, o vereador Kiko Meschiatti presidindo uma comissão de investigação que simplesmente não recebe documentos, contratros milionários que não são cumpridos, enfim, justificativa não falta!

sensação de impunidade… será?
O que me parece é que Dixon goza da sensação de que nada vai acontecer, mesmo que esteja tudo errado. Ricatto chegou até a comentar sobre mensalinhos para vereadores. Ele estaria disposto a falar sobre isso e o assunto corre nas redes sociais. Enquanto isso, o que acontece com a cidade? Lixo para todo lado. Hospital caótico. Paulína, literalmente, andando para trás, regredindo. A qualidade de vida da população cai, notoriamente, todo dia. E a dignidade vai junto, mesmo com a arrecadação da cidade crescendo! Não dá para aceitar!

A GENTE VAI TER DE IR ÀS RUAS?
Será que para descobrir os motivos de tantos afastamentos e o que realmente acontece nos bastidores do governo Dixon, a gente vai ter de sair às ruas? O que acontece? Porque ninguém quer assinar embaixo das decisões de Dixon? O que está acontecendo na Prefeitura de Paulínia? Eu venho denunciando sistematicamente aqui e nada acontece, nem no legislativo, nem no judiciário. Chega a ser ridículo!

veja a situação do lixo
A Filadélfia é outro assunto do qual venho falando aqui. Pois bem, a empresa tinha receita de R$ 3,5 milhões ao ano, agora, recebe R$ 3 milhões ao mês da Prefeitura de Paulínia, e, segundo informações, mesmo assim não pagou o vale dos funcionários, queria pagar um valor no registro e outro ‘por fora’, já enfrentou uma paralisação, por que além disso, não oferece estrutura e os funcionários esquentam marmita ao relento e nem capa de chuva recebem. Enquanto isso, o mato cresce, as ruas ficam sujas e o lixo se acumula. Para piorar, a coleta seletiva, mesmo estando em contrato, não acontece. Resultado: a Cooperlínia corre risco de fechar as portas para 36 famílias que vivem dos recicláveis. É por isso que eu apelo: que venha a JUSTIÇA!

. . .




equipetribuna