Posted dezembro 16, 2017 by Tribuna Paulínia in Paulínia
 
 

Ex-secretário de Saúde de Dixon é citado em esquema da Vitale

OS, que está sendo investigada por supostos desvios de R$ 4,5 milhões do setor da saúde, pretendia administrar o HMP

O ex-secretário de Saúde de Paulínia, Cláudio Marcondes de Miranda, está supostamente envolvido em um esquema que estava sendo planejado para que a Organização Social Vitale Saúde (OS) assumisse a administração do Hospital de Paulínia. A OS está sendo investigada por ser a responsável por supostos desvios de R$ 4,5 milhões do setor da saúde, em Campinas

Uma reportagem da EPTV divulgou detalhes do esquema que estava sendo planejado para que a Vitale assumisse a administração do Hospital de Paulínia. O interesse aparece em algumas conversas interceptadas pelo Ministério Público com autorização da justiça.

Em uma das conversas interceptadas pelo MP, no dia 14 de julho, Aparecida Bertoncello, a Tata, que era a presidente da Vitale, ligou para Paulo Câmara, considerado pela Promotoria um dos verdadeiros donos da empresa, e disse que recebeu um pedido do lobista Fernando Vitor Torres Nogueira Franco: solicitar uma pessoa de confiança para fazer um estudo no Hospital de Paulínia. Os três estão presos.

De acordo com as investigações, a nomeação do secretário Cláudio Miranda aconteceu por intermédio do lobista Fernando Vitor Nogueira. Em uma de suas falas, a presidente da Vitale chega a dizer que o secretário é “pau mandado do Vitor”, se referindo ao lobista.

No dia 1º de agosto, Juliano César Botéro, que já trabalhava para a Vitale, foi nomeado por Dixon ao cargo comissionado de superintendente do Hospital de Paulínia. Em um trecho da conversa, a presidente da OS explicou a função dele em Paulínia e já dava como certo a contratação da empresa para administrar o hospital.
No entanto, a Vitale não chegou a assumir a gestão do Hospital de Paulínia. No dia 16 de outubro, Juliano Botéro foi exonerado do cargo na secretária de Saúde e, segundo o Ministério Público, foi nomeado pela Vitale diretor geral do Hospital Ouro Verde no lugar de Ronaldo Foloni, também apontado como lobista e preso na operação do dia 30 de novembro.

A Prefeitura de Paulínia disse que Botéro ocupou o cargo de superintendente do Hospital Municipal em “uma rápida passagem” entre os dias 1º de agosto e 19 de outubro. A administração ainda informou que Claudio Marcondes de Miranda foi exonerado na tarde de ontem e que não existe nenhum projeto para que a saúde do município seja gerida por uma organização social.

‘Operação Ouro Verde’
Seis empresários investigados cumprem prisão preventiva e foram denunciados à 4ª Vara Criminal de Campinas, no dia 7 de dezembro, pelos crimes de organização criminosa, fraude à licitação, falsidade ideológica e peculato. Entre eles está Fernando Vitor Torres Nogueira Franco, que teve dois carros, modelos Ferrari e BMW, apreendidos no dia em que ocorreu a 1ª fase da “Operação Ouro Verde”.

. . .




Tribuna Paulínia