Início Cultura 6º Paulínia Film Festival consagra o pernambucano “A História da Eternidade”

6º Paulínia Film Festival consagra o pernambucano “A História da Eternidade”

 

A História da Eternidade leva o prêmio principal: o prefeito Edson Moura Junior entrega o troféu ao diretor Camilo Cavalcante
A História da Eternidade leva o prêmio principal: o prefeito Edson Moura Junior entrega o troféu ao diretor Camilo Cavalcante

Evento recebeu 24 mil espectadores ao longo de cinco dias de sessões gratuitas e abertas ao público

A História da Eternidade, primeiro longa de ficção do pernambucano Camilo Cavalcante, foi o grande vencedor do 6º Paulínia Film Festival, encerrado na noite deste domingo (27). O filme levou os Troféus Menina de Ouro de Melhor Filme, Diretor (Cavalcante), Ator (Irandhir Santos) e Atriz (dividido entre Marcélia Cartaxo, Zezita Matos e Debora Ingrid).
O filme contra três histórias de amor e desejo num pequeno vilarejo do sertão nordestino, que revolucionam a paisagem afetiva de seus moradores. Numa delas, um artista (Irandhir) ajuda a sobrinha (Ingrid) a ver o mar pela primeira vez. Em outra, uma viúva (Cartaxo) começa a abrir seu coração para o cego do vilarejo. Na terceira, uma avó (Zezita) recebe a visita do neto que regressou de São Paulo, fugindo de um passado turbulento.
Em seis edições do festival, é a terceira vez que Irandhir (Tropa de Elite 2, a novela Meu Pedacinho de Chão) vence a Menina de Ouro de Melhor Ator. Em 2009, ele venceu pelo filme Olhos Azuis, de José Joffily, e em 2011 por Febre do Rato, de Cláudio Assis.
Casa Grande, primeiro longa de ficção de Fellipe Barbosa, também ficou com quatro prêmios: o Prêmio Especial do Júri, Ator Coadjuvante (Marcello Novaes), Atriz Coadjuvante (Clarissa Pinheiro) e Roteiro (Fellipe e Karen Sztajnberg). O filme conta a história de Jean, adolescente de 17 anos de classe alta no Rio de Janeiro que faz suas primeiras descobertas afetivas e sexuais, enquanto toma consciência das divisões de classe e de raça ao seu redor.
Boa Sorte, de Carolina Jabor, história da relação entre um adolescente de 17 anos e uma moça com problemas psiquiátricos (Deborah Secco) ficou com o Prêmio do Público e Direção de Arte (Claudio Amaral Peixoto). Sangue Azul, de Lírio Ferreira, venceu os Troféus de Melhor Fotografia (Mauro Pinheiro Jr) e Figurino (Juliana Prysthon).
Também foram premiados o musical Sinfonia da Necrópole (Melhor Trilha Sonora), o documentário Aprendi a Jogar com Você (Montagem) e o docudrama Castanha (Som).

Curtas
Entre os curtas-metragens, O Clube, de Allan Ribeiro, sobre um antigo clube de drag queens no Rio, foi o grande vencedor com quatro prêmios: Troféu Menina de Ouro de Melhor Filme, Direção, Prêmio do Público e da Crítica (Júri Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema). O Bom Comportamento, de Eva Randolph levou o prêmio especial do júri e Edifício Tatuapé Mahal, de Carolina Markowicz e Fernanda Salloun, o de melhor roteiro.
Ao longo de cinco dias de sessões gratuitas e abertas ao público, o Festival recebeu um total de 24 mil espectadores. A cerimônia de encerramento foi apresentada pelos atores Caio Blat (“Alemão”, as novelas “Joia Rara” e “Império”) e Tainá Muller (“Tropa de Elite 2”, a novela “Em Família”).

 

Confira a lista completa da premiação

Filmes de longa-metragem
Melhor Filme: R$ 300.000: A HISTÓRIA DA ETERNIDADE, de Camilo Cavalcante
Melhor Direção: R$ 50.000: CAMILO CAVALCANTE, por A História da Eternidade
Melhor Ator: R$ 30.000: IRANDHIR SANTOS, por A História da Eternidade
Melhor Atriz: R$ 30.000: MARCÉLIA CARTAXO, ZEZITA MATOS E DEBORA INGRID, por A História da Eternidade
Melhor Ator coadjuvante: R$ 15.000: MARCELLO NOVAES, por Casa Grande
Melhor Atriz coadjuvante: R$ 15.000: CLARISSA PINHEIRO, por Casa Grande
Melhor Roteiro: R$ 15.000: FELLIPE BARBOSA E KAREN SZTAJNBERG, por Casa Grande
Melhor Fotografia: R$ 15.000: MAURO PINHEIRO JÚNIOR, por Sangue Azul
Melhor Montagem: R$ 15.000: EVA RANDOLPH, por Aprendi a Jogar com Você
Melhor Som: R$ 15.000: THIAGO BELLO por Castanha
Melhor Direção de arte: R$ 15.000: CLAUDIO AMARAL PEIXOTO, por Boa Sorte
Melhor Trilha Sonora: R$ 15.000: JULIANA ROJAS, MARCO DUTRA E RAMIRO MURILO, por Sinfonia da Necropole
Melhor Figurino : R$ 15.000: JULIANA PRYSTHON, por Sangue Azul
Especial Júri: R$ 100.000: FELLIPE BARBOSA, por Casa Grande

Filmes de curta-metragem
Melhor filme: R$ 30.000: O CLUBE, de Allan Ribeiro
Melhor Direção: R$ 20.000: ALLAN RIBEIRO, por O Clube
Melhor Roteiro: R$ 15.000: CAROLINA MARKOWICZ E FERNANDA SALLOUM, por Edifício Tatuapé Mahal
Especial Júri: R$ 20.000: O BOM COMPORTAMENTO, de Eva Randolph

Prêmio do Público
Melhor longa-metragem: R$ 50.000: BOA SORTE, de Carolina Jabor
Melhor curta-metragem: R$ 20.000: O CLUBE, de Allan Ribeiro

 

Júri Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema
Melhor longa-metragem: A HISTÓRIA DA ETERNIDADE, de Camilo Cavalcante
Melhor curta-metragem: O CLUBE, de Allan Ribeiro

 

Fernanda Montenegro é aplaudida de pé na última noite de competições

 

Fernanda Montenegro é a estrela de “Infância”, novo filme de Domingos Oliveira
Fernanda Montenegro é a estrela de “Infância”, novo filme de Domingos Oliveira

Fernanda Montenegro foi a grande estrela da última noite da competição do 6º Paulínia Film Festival, no último sábado. A grande dama dos palcos e das telas brasileiras foi aplaudida de pé no Theatro Municipal lotado quando entrou no palco para apresentar seu novo filme, Infância, com direção de Domingos Oliveira.

“A reabilitação deste Polo de Cinema é algo que a gente esperava. O prefeito Moura teve a inteligência de reabri-lo. Tenho certeza de que vocês vão assistir um filme muito querido, muito honesto, muito emotivo, que vai tocar os nossos corações. É uma festa estar aqui com vocês hoje neste palco”, declarou a atriz.
O diretor Domingos Oliveira (de filmes como “Todas as Mulheres do Mundo”, “Amores” e “Todo Mundo Tem Problemas Sexuais”) também elogiou a retomada do Polo. “Quero deixar meu elogio a este Festival. Não há palavras para o que se está fazendo aqui. Esta é uma grande iniciativa em nome do bom cinema. É fundamental que o estado mais rico do país tenha um Polo de Cinema. E isso está sendo feito aqui”, declarou.

O filme

Baseado nas memórias de infância de Domingos, “Infância” narra os primeiros anos na vida do menino Rodriguinho num casarão de Botafogo nos anos 50. Ele mora com a mãe, Conceição (Priscila Rozenbaum) e a avó, dona Mocinha (Montenegro).
Também subiram ao palco a produtora do filme, Renata Paschoal, e os atores José Roberto Oliveira e Raul Guaraná. O menino Guaraná foi escolhido num teste de elenco com 250 crianças.
A última noite da competição do 6º Paulínia Film Festival teve apresentação do crítico e curador Rubens Ewald Filho e da atriz Márcia Cabrita, de “Sai de Baixo”.