Início Meio Ambiente Baixa umidade e seca aumenta número de queimadas em Paulínia

Baixa umidade e seca aumenta número de queimadas em Paulínia

Com a vegetação seca e a baixa umidade do ar, o fogo se alastra rapidamente
Com a vegetação seca e a baixa umidade do ar, o fogo se alastra rapidamente

A estiagem e baixa umidade do ar são fatores fundamentais que contribuem com as queimadas nesta época do ano. De abril a julho de 2014, Paulínia já atendeu à 126 ocorrências de incêndios em mato e vegetação registrados pela Defesa Civil. No mesmo período do ano passado, foram registrados apenas 27 incêndios.

Em todos os casos, os agentes e brigadistas da secretaria foram acionados para combater o fogo, sinalizar o local e garantir que não houvesse acidentes. Os atendimentos foram feitos em parceria com o Corpo de Bombeiros.
De acordo com o secretário Paulo Mota, esta época do ano inspira cuidados e atenção. “Este é um ano atípico com índice de chuva bem abaixo do esperado. Com a seca muito forte as áreas de vegetação rasteira e matas ficam muito vulneráveis e se tornam alvos fáceis destes incêndios”, disse Mota.
O secretário ainda acrescentou que na maioria dos casos os incêndios são criminosos. “Muitas pessoas vão pescar e queimam o mato pra abrir caminho pra chegar até as represas. Em outros casos são aqueles desavisados que jogam bitucas de cigarro acesas nas margens das avenidas e estradas e acaba provocando o incêndio. Por último temos as queimadas ilegais para a limpeza de áreas e que acabam fugindo do controle” finalizou Mota.
Com as queimadas, a qualidade do ar fica ruim e acaba provocando problemas respiratórios. Mota recomenda que as queimadas sejam evitadas. Caso aconteça, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros devem ser acionados.