Início Paulínia Câmara aprova projeto que reduz secretarias municipais

Câmara aprova projeto que reduz secretarias municipais

O texto também cria seis órgãos, como a Ouvidoria e Auditoria do SUS, a Controladoria Interna e a Procuradoria Geral do Município

A Câmara de Paulínia aprovou, na última quarta-feira (2), proposta de nova estrutura administrativa da Prefeitura. O Projeto de Lei Complementar 01/2022 reduz o número de secretarias municipais, de 21 para 19: a Secretaria de Negócios Jurídicos dá lugar à pasta de Cidadania e Justiça, por exemplo, enquanto as áreas de Esportes, Cultura, Turismo e Eventos ficam reunidas em uma só.

O texto também cria seis órgãos, como a Ouvidoria e Auditoria do SUS, a Controladoria Interna e a Procuradoria Geral do Município. De acordo com a Prefeitura, todos os cargos desses novos órgãos serão ocupados por funcionários concursados. Outros cargos comissionados, sempre para profissionais de nível superior, terão cota de 30% para servidores de carreira.
Na justificativa do projeto, a Prefeitura diz que procurou atender antigas recomendações do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Estado.

A 5ª Sessão Ordinária também aprovou proposta que obriga divulgação de cartazes explicativos sobre a aplicação da manobra de Heimlich em locais com consumo de alimentos, em casos de emergência por asfixia. O projeto é do vereador Cícero Brito (MDB), com o objetivo de evitar mortes.

Com a manobra, utiliza-se as mãos para fazer pressão sobre o diafragma da pessoa engasgada, o que provoca uma tosse forçada e expulsa os objetos das vias aéreas.

TRIBUNA LIVRE

O presidente do Diretório Municipal do PT, Edson Thomaz Martins, usou a Tribuna Livre para debater o caso de um vereador do mesmo partido em Curitiba, acusado de invadir uma igreja durante protesto, em fevereiro. Na 3ª Sessão, o assunto havia sido tema de moções de repúdio de três vereadores: Cícero Brito (MDB), Helder Pereira (PL) e Odair Bordignon (Cidadania).

Para Edson Thomaz Martins, as moções deveriam ser retiradas por erros na divulgação das informações: segundo ele, o ato ocorreu depois do fim da missa, e as críticas destinadas ao vereador seriam baseadas em questões raciais.

Já o presidente da Câmara, Fábio Valadão (PL), exibiu imagens do episódio e disse que os parlamentares da Casa defenderam o respeito à liberdade de culto, sem nenhum preconceito racial. Os vereadores Cícero Brito e Fábio da Van (Solidariedade) discursaram no mesmo sentido.

OUTROS TEMAS
Foram ainda apresentados 39 Requerimentos (cobranças de medidas ou informações), 16 Moções (aplausos, congratulações, apelos) e 44 Indicações (sugestões de melhorias).