Início Paulínia Funcionários da Refinaria de Paulínia fazem paralisação de 24 horas

Funcionários da Refinaria de Paulínia fazem paralisação de 24 horas

Funcionários da Replan atrasam troca de turno em dia de manifestação
Funcionários da Replan atrasam troca de turno em dia de manifestação

Turno das 23h de quinta-feira (23) foi afetado, segundo o Sindipetro. Petroleiros protestaram contra cortes de investimentos da empresa

Funcionários da Petrobras na Refinaria de Paulínia aderiram ao movimento de paralisação de 24 horas iniciado às 23h de quinta-feira (23). De acordo com o Sindicato Unificado dos Petroleiros (Sindipetro), 80 funcionários não entraram para trabalhar e os que deveriam ter saído ficaram até o fim da noite desta sexta-feira (24). A unidade tem 1,1 mil funcionários, sendo 700 do setor administrativo.
O ato é contra o Plano de Gestão e Negócios da empresa petrolífera, que prevê a negociação de ativos em um total de US$ 57 bilhões e cortes de despesas e investimentos na ordem de US$ 89 bilhões.
Os petroleiros também protestaram contra o Projeto de Lei 131, de autoria do senador José Serra (PSDB), que retira a Petrobras como operadora única do pré-sal e participação mínima de 30% nos campos de exploração.
Ainda segundo os sindicalistas, trabalhadores terceirizados também deram apoio atrasando a entrada na refinaria. O protesto seguiu pacífico na empresa.
Paulínia é a maior em capacidade de processamento de petróleo com 66 mil metros cúbicos por dia, o que é equivalente a 415 mil barris. Em nota, a Petrobras informou que registrou bloqueios em algumas unidades do país nesta sexta-feira, o que gerou atrasos, assim como corte de rendição de turno. Ainda segundo a empresa, as atividades estão dentro da normalidade e não há prejuízo à produção. A Petrobras ressalta que foram tomadas medidas para garantir a manutenção da produção de petróleo e gás, assim como o abastecimento do mercado.