Início Paulínia Mauro Torres faz acordo com Dixon e indica irmão para assumir a...

Mauro Torres faz acordo com Dixon e indica irmão para assumir a Secretaria de Habitação

Até então oposição, empresário fez várias publicações em redes sociais demonstrando insatisfação com a atual gestão da cidade

O empresário Mauro Torres Junior, proprietário do Grupo Lumina e presidente do partido Solidariedade de Paulínia, é o novo aliado político do prefeito Dixon Carvalho (PP). Até então oposição, o empresário se aliou ao prefeito e colocou o irmão, Leonardo Torres, para comandar a Secretaria de Habitação
O advogado e irmão do empresário comandará a pasta de Habitação, no lugar de Eduardo Berenguel, que foi remanejado para a secretaria de Negócios da Receita. Leonardo Torres trabalha como gerente do Grupo Lumina e foi advogado responsável por denúncias feitas contra o prefeito na Câmara.
Oposição
Desde que o prefeito Dixon Carvalho assumiu a prefeitura, em janeiro de 2017, Mauro Torres aliou-se ao vereador Kiko Meschiatti e vinha fazendo oposição ferrenha ao governo.
Em diversos momentos, o empresário publicou sua insatisfação com a atual gestão da cidade em redes sociais. No dia 22 de maio, por exemplo, ele comemorou a votação da abertura de uma Comissão Processante (CP) para investigar Dixon por supostas irregularidades fiscais. “Dia histórico na cidade de Paulínia… A voz da população é mais forte do que todas as hierarquias. Parabéns, Paulínia”, escreveu ele no post. A frase vinha acompanhada por uma foto com o placar da votação, que foi unânime pela abertura da investigação.
O empresário também compartilhou diversas publicações em que Kiko denuncia irregularidades e faz cobranças à administração.
Sobre a nova postura de Torres, Kiko deixou claro que o empresário não fala por ele. “Mauro Torres não fala por mim e não define questões políticas relacionadas a mim”, afirmou.

Administração
O também advogado Washington Soares é novo secretário de Administração. O advogado atuou como secretário de Negócios Jurídicos no governo de José Pavan Junior e diretor-adjunto da Câmara, no período em que Marquinho Fiorela foi presidente da Casa.