Início Paulínia Ônibus escolar da Sancetur perde tanque de combustível no trajeto do transporte,...

Ônibus escolar da Sancetur perde tanque de combustível no trajeto do transporte, em Paulínia

Havia crianças no interior do veículo durante o incidente

Um ônibus escolar da Sancetur que atende estudantes de Paulínia ficou sem o tanque de combustível enquanto transportava crianças, no dia 7 de novembro. O incidente aconteceu na Avenida Ferdinando Viacava, quando o veículo, prefixo 1207, seguia no sentido da rotatória do bairro João Aranha.
A denúncia chegou ao Jornal Tribuna por meio do vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e Região, Izael Soares de Almeida. “O ônibus estava cheio de crianças e quem denunciou o fato foram os próprios trabalhadores da empresa, na expectativa de que eu tomasse providências”, afirmou o sindicalista.
Almeida lembrou à reportagem que solicitou ao Ministério Público (MP-SP) a realização de fiscalização nos itens básicos de segurança dos ônibus do transporte escolar da Sancetur, no fim do mês de agosto. De acordo com o vice-presidente da entidade, motoristas e monitores informaram, à época, que vários ônibus teriam problemas de conservação, por conta da falta de manutenção adequada. No ofício protocolado junto à Promotoria de Justiça de Paulínia/MP-SP, a entidade apontou ao órgão problemas como “pneus lisos, freios que não funcionam rotineiramente, falta de cinto de segurança na maioria dos ônibus, quebra constante de mecanismos de freio, direção, motor e câmbio”, entre outros.
Também houve fiscalização surpresa do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) em ônibus escolares de Paulínia, na Escola Municipal Prof. Odete Emídio de Souza, no São José II, no fim de setembro. O objetivo foi confrontar dados e checar se a situação do transporte escolar melhorou em relação à última fiscalização deflagrada pelo órgão na cidade, em março deste ano.
A direção da escola negou possuir dados individualizados dos veículos do transporte escolar que atendem a unidade, contendo informações sobre as manutenções realizadas, e também não soube informar se os ônibus passam por vistoria obrigatória. A Prefeitura de Paulínia foi questionada sobre o fato e respondeu, na edição do dia 2 de novembro do Jornal Tribuna, que “tem como objetivo intensificar os trabalhos junto às empresas prestadoras deste serviço”.
Outro lado A assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado de São Paulo respondeu que ainda não foi aberto inquérito, no caso do pedido do sindicato sobre a fiscalização da frota escolar da Sancetur. Segundo o órgão, “a solicitação está em fase de representação, aguardando resposta de ofício da Prefeitura”. A Prefeitura de Paulínia foi procurada por meio da assessoria de imprensa, para se posicionar, mas não respondeu até o fechamento da edição. A reportagem também questionou a Sancetur, para saber se a empresa tem conhecimento da denúncia feita pelo representante do sindicato. Ainda foi solicitado à Sancetur que envie documentação comprobatória, com as manutenções promovidas na frota ao longo de 2019, e que informe qual empresa ou prestador de serviço realiza as manutenções, mas a operadora não respondeu o e-mail até o fechamento da edição.

Artigo anteriorSegunda fase da campanha de vacinação contra o sarampo segue até dia 30
Próximo artigoMovimento Revitalizar promove ‘Lagoa Cultural Feirinha e Arte’