Início Paulínia Para Siméia, a volta da Bolsa será a realização de quem sonha...

Para Siméia, a volta da Bolsa será a realização de quem sonha com o Ensino Superior

Dando sequência à série de entrevistas com os vereadores de Paulínia sobre os programas sociais anunciados pelo prefeito José Pavan, a vereadora Siméia Zanon expôs sua opinião e explicou que todos os projetos que visam melhorias para a população terão seu total apoio. Para ela, incentivo ao estudo universitário, com a volta da Bolsa de Estudos, é o mínimo que o Poder Público pode fazer.
Confira a entrevista completa:


Jornal Tribuna: Qual a importância do pacote social protocolado pelo prefeito José Pavan Júnior na Câmara Municipal no último dia 4 de Março?
Siméia Zanon: Não tenho dúvida de que esse projeto é de suma importância para população do Município, principalmente para as famílias menos favorecida, e que necessitam de um apoio do Município para conquistar objetivos, principalmente aos jovens que pretendem ingressar em uma Universidade, que é o mínimo que o Poder Público deve incentivar a população.
JT: Na mensagem enviada à Câmara, Pavan diz criar o segundo maior programa de transferência de renda do Brasil, perdendo apenas para a capital São Paulo. Ao mesmo tempo, mostra que hoje a cidade sequer é listada entre as cidades com programas de transferência de renda. Em sua opinião, o que fez com que Paulínia ficasse tanto tempo sem um programa de renda para população?

Siméia: Acredito que tudo tem sua hora, e que cada governante tem sua maneira de administrar. Tenho certeza que o prefeito da administração anterior executava projetos sociais de outra forma, onde o prefeito concedia subvenções as entidades do terceiro setor para suprir tais necessidades, exemplo disso é o CACO, entidade essa que atende a população mais carente, desde auxilio cesta básica, até qualificação profissional de desempregados, e inclusão dos mesmos ao mercado de trabalho. Tenho certeza que o prefeito atual possui outra visão, e vamos torcer para que esse projeto venha atender ainda melhor a população paulinense.

JT: Um vereador mencionou que o valor do pacote social – R$ 171 milhões – seria alto demais. Em contrapartida, o prefeito diz na mensagem enviada à Câmara que chegou a hora da população da cidade se orgulhar menos das obras e mais da área social. Está de acordo? Qual sua opinião?

Siméia: Acredito que temos que orgulhar sim de projetos que atendem a área social, desde que feita de forma responsável, auxiliando necessariamente as famílias que necessitam. Em contrapartida, não podemos esquecer de investir na construção de creches e escolas no município, alem de investir em qualificação dos jovens para o primeiro emprego. Quanto ao projeto, estou sim de acordo, mas não podemos esquecer de fiscalizar os beneficiados, para que pessoas que não necessitem seja beneficiado, deixando de fora pessoas que realmente precisam.

JT: Ainda dentro desta questão, no Projeto de Lei há a obrigatoriedade de cortar gastos futuros, em especial a criação da empresa Paulínia Filmes e o fim do Manto de Cristal, além do remanejamento das despesas do PPA (Plano Plurianual) como condição para que não se tenha problemas com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Você é favorável a esta medida, ou seja, cortar gastos com grandes projetos e investir no social?

Siméia: Sou favorável sim, desde que os remanejamentos e cortes de projetos sejam feitos de maneira responsável sem prejudicar outras áreas, principalmente a saúde e educação. Alem disso, devemos prestar bastante atenção se tais cortes aos projetos não vai gerar prejuízos para administração pública municipal.

JT: O projeto Renda da Família atenderá, segundo o Projeto de Lei, mais de 6.500 famílias, num total de 19.500 pessoas. Como você analisa o impacto social desta medida? Você acredita que melhorará a vida da população?

Siméia: Acredito que isso, além de beneficiar as famílias carentes dando a elas melhores condições, beneficiará também o comércio local, onde provavelmente será gasto esses valores. Penso que esse projeto poderia feito de outra forma, onde o Município contribui com a Renda mínima, mas em contraprestação o beneficiado se compromete a freqüentar cursos de qualificação. Além disso, isso deverá gerar mais empregos nos municípios, o que ficaria ainda melhor.

JT: E com relação à Bolsa de Estudos, considera importante o seu retorno como uma medida social?

Siméia: Com certeza o retorno da Bolsa de Estudos é um projeto maravilhoso, e pode ser considerado uma medida social, pois, sua proposta é contemplar pessoas que tem pretensão em cursar um curso técnico e superior, mas que não possui condições para a realização desse sonho.

JT: E o Passe da Família? Qual a sua opinião?

Siméia: Também é um projeto muito bom, e que vem de encontro com a necessidade da população paulinense, dando oportunidade as famílias paulinenses que utilizam do transporte público, para aproveitar os finais de semana com seus filhos em praças e parques do município sem se preocupar com o pagamento da passagem do transporte coletivo.

JT: Você votou/votará a favor do Projeto de Lei? Por quê?

Siméia: Sem sombra de dúvida votei e votarei a favor ao presente projeto, pois, trata-se de um projeto que tem tudo para atender ainda mais as necessidades da população, desde que as pessoas responsáveis pela execução desses projetos estejam empenhados a atender de fato o que propõe o referido projeto.

JT: Considerando a atual situação política da Câmara Municipal e sua própria posição sobre o pacote, é possível que ele seja aprovado?

Siméia: Acredito que sim, pois, tenho certeza de que os vereadores dessa Casa estão empenhados a fazer o melhor para a população, e acredito que com relação a esse projeto não será diferente.

 

JT: Para concluir, qual é a sua mensagem para os moradores da cidade que esperam pela aprovação da Bolsa de Estudos, da Renda da Família e do Passe da Família?

Siméia: Quero afirmar para a população paulinense, que como representante eleita pelo povo, estou empenhada a fazer o melhor para a população, fazendo indicações, apresentando projetos de Leis, alem de fiscalizar os atos do prefeito da nossa cidade. Com relação aos projetos, caso esses venham de encontro com as necessidades da população, com certeza tem meu apoio.