Início Paulínia Polícia Federal prende estudante,suspeito de pedofilia em Paulínia

Polícia Federal prende estudante,suspeito de pedofilia em Paulínia

Materiais apreendidos durante operação da PF em Paulínia e Campinas
Materiais apreendidos durante operação da PF em Paulínia e Campinas

Estudante de 26 anos foi preso em flagrante. Justiça Federal expediu dez mandados de busca e apreensão no estado

Duas pessoas foram presas em flagrante na manhã desta quinta-feira (27) durante a “Operação Adoletá”, da Polícia Federal, por armazenamento de imagens pornográficas que envolvem crianças e adolescentes. Os suspeitos são um estudante de 26 anos, de Paulínia, e um empresário, de 50, que atua no setor de engenharia elétrica em Campinas. Eles serão interrogados pela PF, mas ainda não foi definido se eles terão direito a fiança para responder em liberdade.
A PF quer se certificar se os suspeitos apenas armazenavam as fotos e vídeos ou também se abusaram de vítimas e realizavam distribuição do conteúdo. Com o empresário foram achadas pelo menos três mil imagens, produzidas no Brasil e exterior, e armazenadas em CDs e notebooks. Caso sejam condenados, eles podem receber pena de um a quatro anos de prisão.
Segundo a delegada Estela Beraquet Costa, as apurações começaram em Brasília (DF), no ano passado. “Acredito que não havia a questão comercial envolvida, mas só com esse trabalho contínuo que nós conseguimos chegar aos produtores ou efetivam a comercialização”, explicou a delegada. Segundo ela, os suspeitos admitiram à PF o armazenamento das imagens.
Pelo menos outros oito suspeitos são investigados, de acordo com a polícia. Foram expedidos pela Justiça Federal dez mandados de busca e apreensão nas cidades paulistas de Campinas, Hortolândia, Monte Mor, Paulínia, Mogi Mirim, Mococa, Espírito Santo do Pinhal e Campo Limpo Paulista. Aproximadamente 40 agentes da PF participaram da ação nesta quinta-feira (27).
Essa operação é fruto de monitoramentos da PF na Internet e nas redes sociais, com o fim de identificar internautas que tenham realizado o armazenamento ou a troca de imagens pornográficas de crianças e adolescentes.
Se o internauta encontrar algum site que contenha esse tipo de material, ele pode enviar um e-mail para denú[email protected] Caso queira enviar o link do site de forma anônima, deve acessar o endereço eletrônico http://denuncia.pf.gov.br.
Os crimes apurados são apenados com reclusão de três a seis anos, no caso da transmissão, e de um a quatro anos, em situação de armazenamento.