Início Política Prefeitura de Paulínia faz força-tarefa para regularizar transporte escolar

Prefeitura de Paulínia faz força-tarefa para regularizar transporte escolar

A Prefeitura de Paulínia, por meio da Secretaria de Transportes, iniciou uma força-tarefa na segunda-feira (2) para normalizar o transporte escolar. Segundo nota oficial, foi realizada uma operação complexa para analisar o transporte de aproximadamente 15 mil alunos todos os dias.

A força-tarefa é composta por secretários, assessores e técnicos da Administração Municipal, com o objetivo de identificar falhas e fiscalizar o trabalho, tudo para que o impacto da troca das empresas prestadoras de serviço seja o menor possível na rotina dos pais e estudantes.

Todas as queixas registradas pelos responsáveis estão sendo analisadas individualmente e enviadas às empresas para que tomem as providências cabíveis.

Sobre os problemas relacionados aos atrasos nas idas e voltas, as rotas estão sendo corrigidas para que as partidas ocorram num horário específico e os retornos não demorem.

Motoristas e monitores estão sendo fixados nas rotas desde quarta-feira (4) em todos os períodos.

A Rápido Sumaré que opera o maior número de linhas, desde quinta-feira enviou psicólogas e pedagogas para percorrer as escolas, buscando dialogar com os servidores municipais, para que as rotas atendam todos da melhor maneira possível.

Os pais e responsáveis podem se dirigir até a Secretaria de Transportes pessoalmente ou entrar em contato pelos telefones 19 3939-7012, 3939-7013, 3939-7014 ou 156, para registrarem queixas e informarem sobre os problemas.

Por fim, a Administração lamenta o ocorrido e completa na nota oficial, divulgada para a imprensa que “espera o quanto antes normalizar todo serviço oferecido à população”.

Durante a semana, foram registrados atrasos de até duas horas no transporte escolar oferecido pela prefeitura nos horários de entrada e saída, desde segunda-feira, quando três novas empresas vencedoras da licitaria assumiram: STP, Sancetur e Rápido Sumaré.

Vários responsáveis reclamaram pelas redes sociais e grupos políticos da cidade. Algumas queixas dão conta de desespero após atrasos de mais de duas horas e alguns ligaram até para polícia e conselho tutelar.