Início Destaques Prefeitura ignora e amigos doam cadeira de rodas à vendedora informal

Prefeitura ignora e amigos doam cadeira de rodas à vendedora informal

Andréia ficou emocionada com a atitude de seus amigos: “são pessoas abençoadas”

Uma mobilização na internet e através de amigos próximos fez com que a vendedora informal, Andréia Luiza Croda, tivesse uma boa notícia nesta semana: ela ganhou duas cadeiras de rodas novas adaptadas para sua necessidade.

Como o Jornal Tribuna há havia noticiado na edição 462, a ambulante vive um drama que se arrasta por longos meses. Há mais um ano ela recebeu a doação de uma cadeira de rodas da Prefeitura Municipal de Paulínia através da Secretaria de Promoção Social, porém, a cadeira é juvenil e não é adaptada para sua necessidade. Segundo Andréia, ela tentou fazer a troca por diversas vezes, mas na Secretaria lhe informaram que não seria possível.

De acordo com ela, a cadeira doada pelo município é juvenil, possui rodas pequenas, pneu inflável, é indicada para pessoas abaixo de 70kg, além de possuir a largura entre as braçadeiras muito estreita. “Eu sentei para provar que eu não caibo nela. É cadeira para criança, eu peso mais de 80kg, mas eles não entendem. Me perguntaram se uma cadeira de R$ 1.300,00 não bastava para mim. Eu expliquei que não é o valor, é a necessidade, mas não adianta, eles não trocam!”, lamenta a ambulante.

Diante do impasse e do desinteresse da Prefeitura de Paulínia, um grupo de internautas e amigos da vendedora se mobilizou nas redes sociais para comprar e doar a cadeira. “Mesmo depois que saiu no Jornal, tentei de novo fazer a troca e nada. Eles simplesmente ignoram minha situação, mas graças a Deus tenho amigos e pessoas solidárias que me ajudaram”, conta.

De acordo com Andréia, ela recebeu duas cadeiras idênticas, além de roupas para seus filhos, um de 13 e outra de 6 anos, e roupas de cama. “Não esperava. Recebi uma da Kika Valadão, uma grande amiga que conheço há anos e a outra do Paulinho, também meu amigo, que falou com o pessoal na internet. Graças a Deus tenho amigos, porque se depender da Prefeitura a gente passa fome, porque nem as cestas básicas que eu pegava não estão dando mais”, afirma.

Segundo Andréia, esse foi o primeiro passo para uma vida melhor. “Já posso circular com mais facilidade e segurança, agora estou esperando para ver se vão sair as casas mesmo, mas enquanto isso, agradeço à todos os envolvidos nesse ato e ao Jornal Tribuna pela divulgação. Que Deus abençoe à todos”.

Necessidade

Ajude! A pequena Sidália, de 6 anos, precisa de fraldas Pompom SXG

A filha de Andréia, a pequena Sidália de 6 anos, sofre com problemas de incontinência urinária. Ela utiliza fraldas para ir à escola e para dormir, mas a que a Prefeitura fornece não é o tamanho ideal para a criança. “Eles deram uma que é a Karícia Extra Grande, mas fica apertada. Ela precisa de uma que é P de adulto ou essa Pompom Super Extra Grande, mas na Prefeitura não tem e eu não tenho condições de ficar comprando”.

Ajuda

As pessoas que se interessarem em ajudar Andréia podem entrar em contato com o Jornal Tribuna através do telefone 3833-3988. Reservamos um espaço especial nas próximas edições para as fotos dos doadores. Qualquer tipo de doação é uma ajuda necessária para a família.

Retaliações

Durante a entrevista, Andréia disse que após a publicação da reportagem no Jornal Tribuna, sofreu retaliações e intimidação na UBS (Unidade Básica de Saúde) do Centro. “Um rapaz que trabalha no Prontuário ficou me questionando porque eu tinha feito aquilo [procurar o Jornal], que isso tudo era politicagem, que eu estava sendo usada e que era pra eu parar de falar mal da Prefeitura. Eu disse que se esperasse a vontade da Prefeitura, estaria na mesma situação, mas ele insistiu dizendo, de maneira grosseira, que eu estava errada em fazer isso”.