Início Empresarial Receita líquida da Braskem alcança R$ 41 bilhões em 2013

Receita líquida da Braskem alcança R$ 41 bilhões em 2013

Carlos Fadigas,Presidente da Braskem
Carlos Fadigas,Presidente da Braskem

Vendas de resina da Companhia cresceram 6% em volume

Em um ano ainda desafiador, mas com sinais de recuperação da economia global, a evolução do PIB nacional deve ficar abaixo das expectativas, com um crescimento próximo aos 2%. No entanto, o consumo de resinas termoplásticas no mercado doméstico cresceu 8% em relação a 2012, refletindo o bom desempenho dos setores alimentício, automotivo, de infraestrutura e agronegócios, além da recomposição de estoques na cadeia.
Uma importante iniciativa para o desenvolvimento do setor foi o lançamento do Plano de Incentivo à Competitividade da Cadeia do Plástico (PIC), estruturado pela Braskem em conjunto com a indústria de transformação. A iniciativa prevê o aporte de recursos pela Braskem de até R$ 80 milhões em 2014 na forma de apoio comercial e suporte a ações estruturantes para os transformadores, com iniciativas que envolvem o estímulo à exportação de manufaturados plásticos, o incentivo à inovação e o apoio à capacitação de profissionais.
Nesse contexto, e impulsionada por programas voltados à eficiência operacional, investimentos em tecnologia e inovação e avanços em seus planos de expansão, a Braskem apresentou evolução positiva em seu desempenho. A Companhia registrou recordes na produção de eteno, com 3,4 milhões de toneladas, e de polietileno, com 2,6 milhões de toneladas produzidas. O volume de vendas de resinas subiu 6% no mercado brasileiro, totalizando 3,7 milhões de toneladas. “Iniciativas como a desoneração tributária são muito positivas, mas medidas complementares são importantes para melhorar a competitividade da indústria como um todo, visando compensar nossos altos custos de matéria-prima e energia, deficiências logísticas e defasagem cambial”, afirma Carlos Fadigas, presidente da Braskem.
A receita líquida da Braskem alcançou R$ 41 bilhões, crescimento de 13%. O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 4,8 bi, um aumento de 22% em relação ao ano anterior. Quando expresso em dólar, o crescimento do EBITDA foi de 11%, para US$ 2.2 bilhões. Entre os fatores que influenciaram esse resultado destacam-se o crescimento no volume de vendas no mercado doméstico; recuperação dos spreads internacionais de resinas e petroquímicos; a desoneração das matérias-primas; e a depreciação do real.
O lucro líquido obtido no quarto trimestre foi de R$ 15 milhões e, em 2013, de R$ 507 milhões, refletindo o melhor desempenho operacional no período e a adoção pela Companhia, a partir de 1º de maio, da contabilidade de hedge, que traduz melhor os efeitos da variação cambial em sua dívida e no resultado. Com base no resultado atingido, a proposta de Administração é realizar uma distribuição de dividendos no valor de R$ 483 milhões.