Início Empresarial Receita líquida da Braskem atinge R$ 12 bilhões

Receita líquida da Braskem atinge R$ 12 bilhões

“Especificamente no setor químico, o desafio é ainda maior diante da concorrência com a petroquímica norte-americana, que consome etano competitivo, oriundo do gás de xisto (shale gas)”, diz o presidente da Braskem, Carlos Fadigas
“Especificamente no setor químico, o desafio é ainda maior diante da concorrência com a petroquímica norte-americana, que consome etano competitivo, oriundo do gás de xisto (shale gas)”, diz o presidente da Braskem, Carlos Fadigas

Vendas de resinas no mercado brasileiro têm expansão no terceiro trimestre de 2014

Refletindo a sazonalidade do período e o desempenho mais favorável de setores relacionados a bens de consumo duráveis, as vendas de resinas termoplásticas (Polietileno, Polipropileno e PVC) da Braskem apresentaram um crescimento de 5% no terceiro trimestre de 2014 na comparação com igual período do ano passado, totalizando 939 mil toneladas. Esse desempenho acompanhou a mesma tendência de expansão do mercado brasileiro. Em relação ao segundo trimestre, quando houve uma desaceleração da economia brasileira, também impactada pelo menor número de dias úteis durante a Copa do Mundo, as vendas da Braskem expandiram 7%. A receita líquida da Companhia atingiu R$ 12 bilhões no trimestre, uma alta de 8% sobre o trimestre anterior, explicada pelo maior volume de vendas e pela depreciação média de 2% do Real no período.
As centrais petroquímicas da Braskem operaram a 90% de taxa de utilização de capacidade, seis pontos percentuais acima do trimestre anterior. A retomada de uma das linhas de produção do polo petroquímico de Triunfo (RS), depois da parada programa para a manutenção, e a melhor operação da central da unidade de Duque de Caxias (RJ) compensaram a parada programada de produção do polo do ABC, em São Paulo, iniciada em setembro e finalizada em outubro.
A Braskem atingiu um EBITDA de R$ 1,5 bilhão, positivamente influenciado pelo melhor nível dos spreads dos produtos petroquímicos no mercado internacional e pelo maior volume de vendas. O grau de alavancagem, medido pela relação entre dívida líquida e EBITDA, teve ligeiro recuo para 2,71 vezes. Em outubro, a agência de classificação de risco Fitch revisou a recomendação do rating da Braskem de “negativo” para “estável”, em resposta à redução da sua alavancagem; ao avanço na estratégia de diversificação de matéria-prima; à melhoria contínua do resultado operacional; e ao melhor patamar dos spreads petroquímicos a nível global. O lucro líquido da Companhia somou R$ 230 milhões, queda de 42% na comparação com o terceiro trimestre de 2013.
Apesar do crescimento da demanda no trimestre, o momento ainda é desafiador por conta do fraco desempenho da economia brasileira. Nesse contexto, a Braskem considera importante que o governo siga trabalhando em medidas para estimular o crescimento da indústria brasileira, com ênfase nos custos e disponibilidade de matéria-prima e energia elétrica. “Especificamente no setor químico, o desafio é ainda maior diante da concorrência com a petroquímica norte-americana, que consome etano competitivo, oriundo do gás de xisto (shale gas)”, diz o presidente da Braskem, Carlos Fadigas. “A negociação de um contrato mais competitivo de nafta petroquímica é fundamental para o setor.”