Início Colunas Uma visão sobre mães atípicas por André Luís de Oliveira

Uma visão sobre mães atípicas por André Luís de Oliveira

Mães de crianças com deficiências ou transtornos do neurodesenvolvimento enfrentam desafios únicos em relação à maternidade convencional, que muitas vezes são invisíveis para aqueles que não estão diretamente envolvidos.

A luta é diária para garantir que seus filhos tenham acesso a tratamentos, terapias e cuidados especiais, bem como por inclusão social e escolar, direitos e representatividade. É uma batalha constante que muitas vezes é solitária, exaustiva e frustrante, mas que também é cheia de amor e dedicação incondicional.

Elas querem que seus filhos sejam capazes de participar plenamente da vida social, sem enfrentar barreiras ou preconceitos. Isso inclui desde o acesso a espaços públicos, como parques e shoppings, até o direito a uma educação inclusiva e adaptada às suas necessidades.

Elas querem também que seus filhos sejam vistos como indivíduos únicos e valorizados por suas diferenças, não marginalizados ou estigmatizados por elas. A representatividade é importante não apenas para a autoestima e a identidade das crianças, mas também para a conscientização e a empatia da sociedade em geral.

O sistema de saúde, a educação e as políticas públicas muitas vezes não são adequadas às necessidades de crianças atípicas, o que pode tornar a batalha ainda mais difícil e injusta.

É por isso que a luta por direitos e representatividade é tão importante. Essas mães estão fazendo muito mais do que simplesmente cuidar de seus filhos – elas estão lutando por uma sociedade mais justa, inclusiva e humana. É fundamental que elas sejam ouvidas, valorizadas e respeitadas em suas demandas, para que possam continuar a lutar pelos direitos de seus filhos e de todos aqueles que enfrentam barreiras e dificuldades similares.

Por fim, é importante ressaltar que a maternidade atípica é uma jornada de amor, resiliência e aprendizado constante. Elas merecem todo o respeito, apoio e admiração da sociedade como um todo.

Como esse texto toca você?

André Luís de Oliveira – Pai da Giulia, Coordenador do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos no Paulínia Racing e Conselheiro do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

@profandreoliveira