Início Paulínia Agentes ‘caçam’ larvas do mosquito da dengue em Paulínia

Agentes ‘caçam’ larvas do mosquito da dengue em Paulínia

Ao todo, são 32 agentes realizando o trabalho em todo o município. Os funcionários são identificados por uniformes da Corpus e crachás de identificação
Ao todo, são 32 agentes realizando o trabalho em todo o município. Os funcionários são identificados por uniformes da Corpus e crachás de identificação

O trabalho constante no combate ao mosquito da dengue já resultou na queda de 95% nos casos da doença 
A Vigilância Epidemiológica de Paulínia iniciou nesta quarta-feira (5) a avaliação de densidade larvária do mosquito Aedes aegypti no município. O trabalho integra o calendário do Ministério da Saúde para o combate à dengue em todo o país.
O trabalho constante da Prefeitura de Paulínia no combate ao mosquito da dengue já resultou na queda de 95% nos casos da doença nos sete primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.
Nessa etapa, os agentes de controle de vetores visitam diversas residências do município em busca de criadouros e larvas do mosquito. Eles recolhem as larvas para análise biológica e aplicam larvicida no local onde foram encontradas.
Cerca de 1.600 imóveis deverão ser visitados em todo o município. Caso seja detectado alta concentração de larvas em um determinado bairro, a prefeitura fará uma atuação mais forte na região, para eliminação dos criadouros e do mosquito.
Ao todo, são 32 agentes realizando o trabalho em todo o município. Os funcionários são identificados por uniformes da Corpus, empresa de limpeza urbana contratada pela prefeitura, e com crachás contendo nome e foto de cada um.
“É importante que a população permita a entrada dentro das casas, para identificação de possíveis criadouros do mosquito Aedes e a captura das larvas, além da aplicação do larvicida”, disse Iracema Custódia dos Santos Sá, da Unidade de Vigilância em Zoonoses da Prefeitura de Paulínia.
“O período de maior incidência da dengue é durante o Verão, em razão das chuvas e do calor. Por causa disso, temos que iniciar o trabalho de combate ao mosquito Aedes aegypti antes, como prevenção da doença”, afirmou Iracema.

Artigo anteriorDixon reúne imprensa e fala das expectativas para os próximos quatro anos
Próximo artigoEm 2017, Paulínia terá seis novos vereadores