Início Destaques Aluna desmaia por falta de cortinas e ventiladores em sala de aula

Aluna desmaia por falta de cortinas e ventiladores em sala de aula

De acordo com pais, com o calor intenso, mal-estar dos alunos é frequente

Inversão: A EMEF Flora funciona hoje onde era o Núcleo, e o Núcleo foi para o antigo prédio do Flora

A Escola Estadual Núcleo Habitacional José Paulino Nogueira, que hoje ocupa o prédio da escola EMEF Flora Aparecida Toledo Lima, no Monte Alegre, está funcionando com precariedade. Pelo menos é assim que os pais descrevem a situação da unidade escolar depois que uma aluna desmaiou devido ao calor dentro da sala de aula.

De acordo Silvana, mãe da aluna de 13 anos que passou mal, essa é a segunda vez que a filha teve problemas desse tipo na escola. “Não é a primeira vez. Levaram ela para o pátio, jogaram água no rosto e abanaram até ela voltar. Imagina a situação dos alunos: são mais de 25 alunos juntos numa sala de aula sem cortina e sem ventilador nesse calor que está fazendo todos esses dias”, reclama.

Silvana disse à imprensa da cidade que já fez diversas reclamações, mas recebeu a informação de nem os funcionários da escola conseguem resolver o problema. “Eles me disseram que já fizeram diversos pedidos na secretaria, mas não resolve. Nem eles sabem o que vão fazer. Me passaram o contato da Delegacia de Ensino em Sumaré para fazer a reclamação”, conta.

A aluna conta que em dia de prova é preciso fazer uma pausa no lado de fora da classe. “Todo mundo precisa parar para respirar um pouco e depois voltar, não tem outro jeito. Quando eu passei mal, se formou uma fila de gente lá na secretaria da escola para telefonar para os pais virem buscar porque não estava dando para suportar”.

Funcionários da escola explicaram que o problema está acontecendo porque a escola que usava o prédio anteriormente (Flora) levou para seu prédio novo toda a fiação e cortinas das salas. “É porque quando eles estavam aqui, também não tinha, então os pais se organizaram, fizeram uma quermesse para arrecadar dinheiro e comprar. Eles próprios compraram, então nada mais justo de que os alunos daquela escola continuem usando o que os pais deles compraram para eles”, relembra.

“Aí sai no comercial e no Semanário falando ‘educação de qualidade para preparar o futuro’. Que qualidade?”, completa a mãe.