Início Paulínia Com lei sancionada, enfermeiros de Paulínia já têm carga horária reduzida para...

Com lei sancionada, enfermeiros de Paulínia já têm carga horária reduzida para 30 horas

Projeto do prefeito Edson Moura Junior foi votado e aprovado pelos vereadores na sessão do dia 1º de julho
Projeto do prefeito Edson Moura Junior foi votado e aprovado pelos vereadores na sessão do dia 1º de julho

O prefeito de Paulínia, Edson Moura Júnior, sancionou a Lei Municipal 3.338 que estabelece a jornada de trabalho de 30 semanais para enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares de enfermagem. A categoria trabalhava 40 horas por semana. Com a mudança não haverá nenhuma implicação salarial para os profissionais.

A lei entrou em vigor no dia 10 de julho, quando foi publicada no Semanário Oficial. De acordo com a secretaria de Recursos Humanos Orcídia Gaeta Mattos, o projeto está sendo colocado em prática com base em estudos realizados previamente.
O prefeito explicou que foram feitos estudos de impacto na rede antes do projeto ser elaborado e aprovado. Ele destacou que tanto os profissionais como a população serão beneficiados. Aproximadamente 700 profissionais serão contemplados com a mudança. “Se trata de uma reivindicação justa. Tenho certeza que os nossos enfermeiros e enfermeiras vão prestar um serviço ainda melhor à população”, explicou o prefeito.
O secretário de Saúde de Paulínia, Renato Cardoso, destacou a união dos enfermeiros. “Com certeza a categoria merece. Os enfermeiros e enfermeiras de Paulínia são muito capacitados e empenhados no trabalho. Estou feliz por todos”, afirmou.

Experiências positivas
No dia 15 de maio, quando Moura Júnior fez o anúncio da redução, a conselheira do Coren Ana Márcia Donnabella, presente no evento, explicou que experiências semelhantes em cidades do Estado mostram que a medida melhorou a qualidade do atendimento e reduziu o número de afastamentos de enfermeiros por sobrecarga de trabalho. “Não é um privilégio da categoria, mas uma iniciativa justa para assegurar mais qualidade nos atendimentos e melhores condições de trabalho”, disse a conselheira.