Início Paulínia Ideia semelhante á de Wilson Machado para cestas básicas é aprovada em...

Ideia semelhante á de Wilson Machado para cestas básicas é aprovada em Campinas

Com cartão de débito,beneficiário faz sua compra nos comércios credenciais
Com cartão de débito,beneficiário faz sua compra nos comércios credenciais

Na cidade vizinha, vereadores aprovaram a substituição da cesta básica pelo uso do cartão de débito em comércios locais

 Na segunda-feira, 6, a Prefeitura de Campinas divulgou a aprovação em primeira discussão (legalidade) de um projeto semelhante à ideia que o empresário e pré-candidato a prefeito Wilson Machado tem para as famílias paulinenses que necessitam de ajuda através de cestas básicas. O projeto de lei do prefeito Jonas Donizette substitui a cesta básica fornecida pela Prefeitura de Campinas por um cartão magnético para compra de alimentos de primeira necessidade. Chamada de NutriCampinas, a proposta é voltada para famílias em situação de vulnerabilidade.

No projeto de lei da cidade vizinha, serão creditados R$ 72,54 por mês no cartão para a aquisição de produtos considerados “in natura”. O valor é o mesmo da cesta oferecida hoje e não terá acréscimos e ainda prevê a criação de uma comissão para realizar auditoria e incluir ou excluir os beneficiários.
Ainda de acordo com o projeto, as pessoas que se enquadrarem no perfil para receber o vale, terão o benefício concedido de um até 24 meses e, em casos extremos, o crédito poderá ser prorrogado por mais seis meses. Dezenas de supermercados, varejões e outros estabelecimentos de Campinas serão cadastrados para aceitarem o cartão.
Conforme entrevista realizada semana passada com o pré-candidato a prefeito, Wilson Machado, a proposta é “louvável” e condizente com a realidade de Paulínia. “Projetos assim devolvem a dignidade das famílias mais humildes, mas o valor aprovado, de R$ 72,54, é muito baixo para as reais necessidades, principalmente para as famílias que têm mais filhos. Na realidade da nossa cidade, o valor creditado poderia ser entre R$ 300 e R$ 700, com esse valor se adequando conforme o número de integrantes de cada família”, disse.
Ainda segundo o empresário, as necessidades não se resumem apenas em produtos “in natura”, conforme especificado no projeto de Campinas. “A dona de casa também lava roupa, limpa a casa e para isso precisa de produtos de limpeza. Tem famílias com bebês, que precisam de fraldas ou adolescentes que necessitam de absorventes, por exemplo, e isso para ela também é uma necessidade. Então, com o cartão em mãos, ela usa à sua maneira. Essa ideia é muito pertinente para nossa cidade e acredito que dessa forma, a dignidade das famílias que necessitam de ajuda seja renovada”, conclui Machado.