Início Paulínia Ministério Público investiga possíveis danos ambientais após explosão na Replan

Ministério Público investiga possíveis danos ambientais após explosão na Replan

Por conta da explosão seguida de incêndio ocorrida na Replan no último dia 20, o Ministério Público abriu um inquérito civil para investigar se houve danos ambientais em Paulínia. O procedimento será conduzido pela promotora de Justiça Fernanda Elias de Carvalho Lucci.
A assessoria do órgão informou que ela já fez os primeiros pedidos de esclarecimentos para a petrolífera, mas neste momento ela não concederá entrevista sobre o caso.
Sobre a abertura da investigação, a Petrobras informou, por nota, que “não tem conhecimento sobre o inquérito aberto pelo Ministério Público para averiguar questões ambientais em razão do evento ocorrido na Replan no dia 20 de agosto”.
Fiscalização
Nesta semana, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) confirmou que fará “blitz” sobre as condições de saúde e segurança na refinaria. O sindicato da categoria (Sindipetro) defende que o problema pode ter como uma das origens a sobrecarga de trabalho e, por isso, a Justiça do Trabalho também aguarda esclarecimentos da Petrobras sobre os recursos e instalações.
A Petrobras, por outro lado, diz que “reforça seu compromisso com a segurança da sua força de trabalho, suas operações e instalações, adotando padrões da indústria mundial de petróleo”, e que fará esclarecimentos para a juíza Veranici Aparecida Ferreira, da 2ª Vara do Trabalho.
Reflexos
O impacto financeiro provocado pelo incidente é mantido em sigilo pela Petrobras. A interrupção fez com que ANP autorizasse a empresa a comercializar diesel e gasolina sem seguir as especificações para cor e temperatura, por avaliar que há risco de desabastecimento, e a petrolífera também confirmou que importará diesel e querosene para aviação, mas não revelou quantidades. As informações são do Portal G1.

ANP libera retomada das operações
A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) liberou na quarta-feira, 29, a Replan para restabelecimento da produção, após inspeção do isolamento das áreas atingidas por incêndio no dia 20, dentre outras providências solicitadas.
A Agência concluiu que a operação será reativada de forma segura, após entrega de documentação comprobatória das condições de segurança adequadas pela Petrobras e realização de inspeção nas unidades operacionais.
No cronograma está prevista a normalização da destilação em dois dias, das unidades de craqueamento catalítico e hidrotratamento em três dias e das demais unidades não afetadas em até uma semana.
Com isto, 50% da produção da refinaria será normalizada em até uma semana.

Artigo anteriorPetrobras não participa de reunião sobre segurança convocada por Dixon
Próximo artigoDesembargador suspende afastamento de Dixon e Caprino