Início Paulínia Replan tem troca de turno suspensa em protesto contra crise na Petrobras

Replan tem troca de turno suspensa em protesto contra crise na Petrobras

Impedidos de trocar de turno, funcionários da Replan participam de paralisação em Paulínia
Impedidos de trocar de turno, funcionários da Replan participam de paralisação em Paulínia

Movimentação aconteceu ontem (16). Paralisação de oito horas foi organizada pelo Sindipetro, em Paulínia

Os funcionários da Replan, a refinaria da Petrobras em Paulínia, participam de uma paralisação de oito horas nesta sexta-feira (16) em protesto contra a crise financeira na companhia. De acordo com o sindicato da categoria, cerca de 1000 trabalhadores, próprios e terceirizados, não puderam entrar na empresa no início da manhã. O número foi confirmado pela Polícia Militar. O ato foi pacífico.

Os trabalhadores terceirizados deveriam ter entrado na refinaria às 6h30, mas o horário foi alterado para as 10h. Já a rendição de turno deveria ter acontecido às 7h30, mas só foi feita às 15h30. Os funcionários que trabalharam durante a madrugada permaneceram na fábrica. A produção não foi afetada. Os empregados do setor administrativo também não puderam entrar. Assembleias foram feitas com os trabalhadores do lado de fora.
O movimento é contra o plano de negócios de gestão que a Petrobras apresentou este ano, segundo o Sindicato dos Petroleiros. Um dos pontos desse plano é o corte nos investimentos e o “desinvestimento”, que consiste na venda de ativos da Petrobras, o que, para o sindicato, significa caminhar para a privatização. A medida também afetaria os empregos.
Ao todo a Replan conta com 1.100 trabalhadores próprios e 2.200 terceirizados. A luta dos sindicalistas é para que haja mudanças no plano de negócios, para garantir os direitos trabalhistas e também para que a exploração do pré-sal não seja afetada.