Início Empresarial Alta de 6,6% na gasolina é ‘modesta’ e não atrapalha, diz Mantega

Alta de 6,6% na gasolina é ‘modesta’ e não atrapalha, diz Mantega


O valor real para o consumidor deve subir em até 4% nos postos de todo país

De acordo com o ministro, reajuste nas bombas deve ficar em cerca de 4%; reajuste, anunciado pela Petrobras, começou a valer nesta quarta (30).

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quarta-feira (30) que o aumento de 6,6% na gasolina, anunciado no dia anterior pela Petrobras, é uma “elevação modesta” e que “não vai atrapalhar ninguém”. De acordo com ele, o reajuste nos postos, ou seja, para o consumidor, deve ficar em torno de 4%.
“Queria lembrar a vocês que faz quatro anos que o preço da gasolina não sobe. De 2006 até 2012, o preço da gasolina subiu 6%, muito menos do que toda a inflação [do período]. É uma elevação modesta perto daquilo que aconteceu com o preço da gasolina. É uma pequena correção que não vai atrapalhar ninguém”, disse Mantega, após participar de encontro com prefeitos, em Brasília. O preço da gasolina nas refinarias foi elevado em 6,6% nas usinas. Para o diesel, o reajuste ficou em 5,4%.
Mantega disse que, enquanto foi possível, o governo neutralizou o aumento dos combustíveis para os consumidores, abatendo a alta na alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) que incide sobre os combustíveis. O governo, porém, já zerou a Cide com essa política e, por isso, dessa vez a alta vai chegar aos consumidores.

Mais aumentos

Questionado sobre a possibilidade de novos aumentos neste ano, o ministro disse que isso é uma decisão da diretoria da Petrobras e que vai depender de fatores como o comportamento do preço internacional do petróleo.
O ministro apontou ainda que, apesar de ter que arcar com aumento dos combustíveis agora, os consumidores brasileiros foram compensados com decisões do governo, como a que permitiu o barateamento da conta de luz e a redução de juros para financiamentos.