Início Política Bonavita rebate acusações sobre subvenções sociais

Bonavita rebate acusações sobre subvenções sociais

 

Apontado como um dos responsáveis pela demora na votação do projeto de lei do Executivo que concede subvenção a entidades sociais, o vereador Francisco Almeida Bonavita Barros (PTB) esclareceu em entrevista a polêmica que envolve a questão.

Jornal Tribuna – Bonavita, você foi apontado em recente reunião pelo secretário de Negócios Jurídicos Leonardo Ballone e depois num manifesto de partidos políticos como um dos responsáveis pela demora na votação do projeto de lei para liberação de subvenção municipal para entidades sociais. O que você tem a falar sobre isso?

Bonavita – Em primeiro lugar, eu não tenho culpa da falta de planejamento e desorganização do atual prefeito e, principalmente, pela falta de comando político na cidade. Prova é que, nos últimos 20 anos como vereador, nunca aconteceu uma situação como essa. O projeto chegou à casa no final do expediente do dia 15 de dezembro e os trabalhos da Câmara se encerraram no dia seguinte. E os vereadores entraram em recesso no dia 20 de dezembro, após a votação do orçamento. Além do mais, não só a Câmara, como também a Prefeitura entraram em recesso e só retornaram às atividades normais no último dia 2, após o meio-dia. Portanto, assim, não houve tempo hábil para que o projeto fosse analisado em todas as comissões.

JT – Mas em outros exercícios, projetos como esse eram votados antes do final do ano. Por que não foi assim dessa vez?

Bonavita – Quero afirmar que sempre fui e serei favorável aos projetos de subvenção social, desde que as entidades estejam aptas a receber o benefício. Mas volto a afirmar que, não só a Câmara, como também a Prefeitura, estavam com suas atividades paralisadas. E como a Comissão de Finanças tinha alguns questionamentos a fazer, se tornaria impossível a tramitação normal do projeto.

JT– Mas se existe um prazo determinado para tramitação do projeto, mesmo em regime de urgência, então você acha que a própria Prefeitura não se atentou a esse detalhe para encaminhar o projeto com a antecedência necessária, já prevendo que a Câmara poderia entrar em recesso no dia 20 de dezembro?

Bonavita – Acredito que a falta de organização e pulso firme do prefeito tem gerado muitos problemas. Projetos, como o da subvenção das entidades, devem ser prioridade e, portanto, têm que ser encaminhados com antecedência, até porque acredito que há muito tempo a Prefeitura já tinha conhecimento dos valores a serem destinados e a importância desses recursos para a manutenção desses serviços. Prova disso é que o projeto de lei que instituiu os prêmios para o Carnaval de 2012 chegou à Câmara no dia 5 de maio de 2011, enquanto o das subvenções chegou apenas no apagar das luzes do ano. E aí eu pergunto, o que é mais importante para o prefeito: a premiação do Carnaval ou o trabalho das entidades, como a APAE que cuida de crianças especiais, a  AUPACC que dá suporte para pessoas em tratamento contra o câncer, Caco, Casa do Menor, Associação pela Infância e Juventude, entre outras?

JT – Quais eram seus questionamentos quanto ao projeto?

Bonavita – Alguns dos meus questionamentos eram referentes aos processos de prestação de contas que o Caco e Associação pela Infância e Juventude (antiga Guardinha) têm no Tribunal de Contas, demissão de funcionários nessas entidades e redução da concessão de cestas básicas a cada ano, enquanto que os valores repassados se mantêm ou até são reajustados.

JT – Então, você fez os questionamentos ao prefeito e as respostas foram satisfatórias?

Bonavita – No dia 12 fiz o pedido de informações e as respostas chegaram dia 16. Porém, as informações que me foram enviadas não estavam completas e considero também mentirosas, o que me levou a encaminhar de novo parte desses questionamentos.

JT – E mesmo assim, por que você liberou o projeto para votação?

Bonavita – Porque me reuni com todas as entidades e me comprometi que, tão logo chegassem as informações e depois de analisadas, mesmo tendo que esclarecer algumas dúvidas, para não atrapalhar ou prejudicar as entidades e seus projetos à população liberei o projeto para ser votado.

JT– Como você viu o manifesto divulgado pelos partidos que integram a base de apoio do prefeito, que acusam de “revanchismo político” os vereadores que compõem a Comissão?

Bonavita – Para mim, isso é desespero político, falta de informação e, além de tudo, a intenção de prejudicar minha imagem perante a população que conhece muito bem minha atuação como homem público. Entendo que a falta de prestígio do atual prefeito e dos seus principais aliados, que mandam e determinam o que ele tem que fazer, é a motivação para que tentem mostrar alguma coisa para mudar a imagem de quem não fez praticamente nada nos últimos três anos, mesmo tendo uma arrecadação em média de R$ 24 milhões a mais por mês do que na administração do ex-prefeito Edson Moura.

JT – E quanto à acusação de que você comunga com a política do “quanto pior, melhor”, o que você tem a dizer sobre isso?

Bonavita – Com o dinheiro que Paulínia arrecada, considero que é impossível ficar pior do que está. A situação chegou só a esse ponto por incompetência e falta de compromisso do atual prefeito com a população. Veja a situação em que se encontram a Saúde – está na UTI; Segurança – um caos; Educação – não se resolveu ainda o problema de vagas em creches; Habitação – nenhuma casa entregue em três anos e assim por diante.

JT – Mas você também está sendo acusado pelos partidos aliados ao Prefeito de tentar “adiar o início de projetos sociais e de distribuição de renda”, o que tem a dizer sobre isso?

Bonavita – Isso mostra o despreparo e maldade para com o meu trabalho como vereador, até porque votei favorável a quase todos os projetos de interesse social, exceto a Bolsa Amamentação, porque acho que é dever do Município dar creche às crianças para possibilitar que as mães possam trabalhar. Portanto, não queiram transferir a falta de responsabilidade e compromisso do prefeito com a população para este vereador. Tenho feito tudo o que está no meu alcance em respeito aos moradores de Paulínia.