Início Colunas DESCASO COM O SERVIDOR

DESCASO COM O SERVIDOR

 

Sofrer com os erros do governo virou coisa de praxe em Paulínia. No ano passado, pela primeira vez na história, os servidores municipais precisaram fazer greve. Durante 64 dias, servidores e população sofreram. Em resposta, o prefeito descontou ilegalmente o salário dos trabalhadores e provocou um caos na cidade. Agora, comete o mesmo erro, não cumprindo a ordem judicial de restituir os valores. O que ele quer? Testar o servidor e punir a população com outra ameaça de greve?

DESCASO COM A POPULAÇÃO

Quando assumiu a Prefeitura lá no Ginásio de Esportes do Centro, no dia 1º de janeiro de 2009, o prefeito-muleta ficou todo corado quando teve de encarar um grupo de manifestantes que morava na Granja Coave pedindo a solução que ele tanto prometeu em campanha. Qual a resposta dele três anos depois? Um mandado judicial pedindo força policial para expulsar mais de 500 pessoas do lugar onde moram hoje, o Acampamento Menezes, no Viacava. Sabe o que é pior? O lugar onde essas pessoas estão morando é público e o prefeito que promete um condomínio com o nome de ‘Vida nova’, até hoje não se importou nem em amenizar problemas simples para essas pessoas realmente sofridas, como ligações decentes de água e esgoto. A energia elétrica só chegou ao local porque os moradores compraram os postes e o prefeito nunca, nunca mesmo, apareceu no local ou retornou os pedidos de reunião!

GOVERNO PARA POUCOS

Agora me digam: como é que um prefeito bate no peito dizendo que defende o social se governa só em benefício de meia dúzia? Sim, porque até agora, tudo o que ele fez foi esbanjar muito dinheiro público em festas e deixar as prioridades essenciais da população para trás. O servidor ficou para trás, as casas ficaram para trás, o Centro Geriátrico ficou para trás, as escolas prometidas ficaram para trás, os remédios ficaram para trás, o fim das obras do Hospital Municipal ficaram para trás, os empregos ficaram para trás. Até os editais que atraem as produções de cinema para a cidade ficaram para trás! Tudo o que o Edson Moura criou e que foi responsável por transformar Paulínia na cidade-modelo no Brasil ficou para trás com esse (des)governo que não trabalha pensando na cidade como um todo. Também, o que esperar de uma administração que só reconhece o curral?

COMPARSAS DO DESGOVERNO

Pior que enfrentar um governo que só se interessa em promover festas que enchem os bolsos de empresas de fora, é encarar uma Câmara que sequer tem a coragem de abrir um pedido de investigação sobre tantos atos contraditórios e denúncias graves de desvio de dinheiro público. Contra fato não há argumento: se a Justiça pode investigar, bloquear os bens do prefeito, de secretários e comissionados e até considerar o afastamento do prefeito do cargo, porque os vereadores não podem? Pense bem nisso caro leitor/eleitor. Terça-feira agora tem sessão de novo!!!