Início Destaques Prefeitura quer demolir Concha Acústica sem opinião da população

Prefeitura quer demolir Concha Acústica sem opinião da população

 Presidente da Acip declara que essa é mais uma atitude contra o povo paulinense

Manifestantes colocaram faixas no local em protesto contra a demolição da Concha Acústica

Construída em 1996, a Concha Acústica que faz parte do Complexo Brasil 500 está prestes a desaparecer. No mapa do projeto divulgado pelo SWU, isso já aconteceu.
O prefeito autorizou a demolição alegando falta de manutenção da rede elétrica e problemas na acústica do local.
O espaço onde está localizada a Concha Acústica será sede até 2015 do SWU, realizado pela primeira vez este ano em Paulínia.

A reportagem do Jornal Tribuna esteve na Concha Acústica na sexta-feira, dia 7, e constatou com registro de fotos que não há infiltrações e nem tampouco rachaduras no local, nada que justifique uma demolição.

De acordo com uma empresa especializada em demolição um serviço como este não custará menos que R$400 mil reais. Dinheiro que sairá dos cofres públicos de Paulínia.

Até agora a administração também não apresentou um laudo técnico de um engenheiro que justificasse a destruição do espaço.

Para o presidente da Acip (Associação Comercial e Industrial de Paulínia) Wilson Machado, a atual administração está destruindo mais um patrimônio público e jogando dinheiro fora, pois a Concha Acústica, em valores atualizados, custou cerca de R$3 milhões de reais.

“Declaro meu repúdio a essa atual administração que não faz nada para os comerciantes da cidade e nem para o povo de Paulínia. É mais um despropósito desse cidadão que se diz prefeito. Na verdade, ele deveria fazer uma gestão voltada às áreas de Saúde, Habitação e Segurança. Ele consegue destruir o que está pronto na cidade”.

Segundo ainda Machado, a Concha Acústica foi projetada por uma universidade que também teve um custo e a demolição da mesma para apenas três dias evento do SWU não é justificável. “Nada justifica o prefeito demolir a Concha, pois alugamos o espaço, estamos fazendo a manutenção, a parte elétrica todinha do evento, que já está projetado até 2015, que com certeza ele não estará no mandato. Saliento também, que todos os eventos como Carnaval, encontros religiosos e músicos da cidade eram realizados nesse espaço. Teve o Roberto Carlos, o Zezé di Camargo e ainda, na gestão de Edson Moura todas os shows eram gratuitos”.

Machado também destaca que a demolição custará mais de R$400 mil reais aos Cofres Públicos e ainda considera um pretexto do prefeito para que no próximo ano o Rodeio tenha um espaço maior para o público, já que este ano o número de pessoas foi limitado em 24 mil.

“O SWU prega a sustentabilidade e estão destruindo um patrimônio público a troco de nada. Se fosse construir um hospital no local se justificava, mas nem outra Concha Acústica se justifica. Hoje nós temos prioridades dentro de Paulínia, e o prefeito usa esses interfúgios pra poder saciar o seu ego”.
Ele completa: “São várias situações como o desvio do combustível, a troca e corte dos postes. Queremos saber até onde vai essa situação caótica que estamos passando em Paulínia. Não há uma resposta para tantos desmandos. Hoje, ele envergonha as famílias que tem história na cidade, por causa dessa gestão infeliz, incapaz desse prefeito, que não sabe administrar um município como Paulínia, que está sendo saqueada e agora está destruindo todo patrimônio da cidade e também desapropriando terras para doar a outras empresas. Então até onde vai o desmando desse prefeito. Peço a Deus que nos ajude porque ele ainda tem mais oito meses que faltam pra Campanha e mais um 1 ano e três meses de governo, a gente não sabe o que mais pode acontecer, porque um cidadão desse não quer uma reeleição e governar nossa cidade. Ele simplesmente quer saquear Paulínia”, declara o presidente da Acip”.