Início Paulínia Projeto Vivaleite é retomado e cota de atendimento passa de 94 para...

Projeto Vivaleite é retomado e cota de atendimento passa de 94 para 250

Projeto distribui leite às famílias de baixa renda do município que possuam crianças de seis meses à seis anos
Projeto distribui leite às famílias de baixa renda do município que possuam crianças de seis meses à seis anos

A Prefeitura de Paulínia retomou o Projeto Vivaleite e aumentou a cota de atendimento de 94 para 250 famílias. Ao todo, quase quatro mil litros de leite são distribuídos mensalmente para crianças da região dos bairros João Aranha e Bom Retiro.

De acordo com a secretária de Promoção e Desenvolvimento Social, Clélia Moraes, o aumento no número de cotas foi possível graças ao apoio do vereador Sandro Caprino. “Gostaria de agradecer o vereador por ter nos ajudado nessa luta. Graças ao seu apoio conseguiremos atender mais 150 famílias”, afirmou.
Caprino acompanhou a entrega de leite realizada na segunda-feira, 16, na Associação Educacional Cultural de Capoeira Rainha do Engenho, e se comprometeu em continuar ajudando a população. “Nossa meta agora é tentar levar o projeto para o Morro Alto. Vamos fazer de tudo para que isso seja possível”, comentou.
O Vivaleite é realizado através de um convênio da prefeitura com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social. O projeto realiza a distribuição gratuita de leite fluido, pasteurizado, com teor de gordura mínimo de 3%, enriquecido com ferro e Vitaminas A e D, com o objetivo de oferecer um complemento alimentar seguro e de alto valor nutritivo às pessoas de baixa renda.
Para a artesã Andressa Silveira, receber o leite faz toda a diferença no seu orçamento. “Como não tenho um salário fixo, não consigo me programar financeiramente. Além disso, tenho dois filhos e essa ajuda acaba sendo muito importante pra mim”, disse.
O público alvo do Vivaleite são crianças de seis meses a seis anos e 11 meses, mas a prioridade é para crianças de até dois anos. Para se inscrever, a famílias têm que ganhar até dois salários mínimos e morar no bairro ou na região de atendimento.
As entregas são realizadas as segundas, quartas e sextas-feiras, na Associação Educacional Cultural de Capoeira Rainha do Engenho, que atende a região do João Aranha, e no Núcleo da Secretaria de Promoção Social do bairro Bom Retiro.