Início Uncategorized Vamos relembrar…

Vamos relembrar…

Esta semana preparei uma breve retrospectiva dos fatos mais relevantes abordados nessa coluna. Vamos relembrar?

NA CORRERIA

Janeiro/2012 – Os R$ 4 milhões gastos pela Prefeitura para contratar uma agência de publicidade continuam rendendo mentiras para tapar o sol com a peneira e tentar enganar o povo. No dia 6, vários pontos da cidade ficaram alagados por um chuva. O trânsito virou um caos e as pessoas ficaram ilhadas em muitos pontos da cidade. Na mesma semana, o prefeitinho muleta saiu na correria anunciando obras para acabar com os pontos de alagamentos. Coisa que ele teve três anos e dinheiro para fazer, mas não fez!

INVERSÃO DE VALORES

Dezembro/2011- Por causa de picuinha política e vaidade, o prefeito resolveu desabrigar cerca de 600 alunos do PIF (Projeto de Iniciação ao Futebol) do Paulínia Futebol Clube e mais uma vez castigar a população com um tipo de política barata e ultrapassada que ele faz questão de praticar, ou seja, dar fim a algo que já funciona e inventar algo similar. Ao invés de liberar a subvenção para um projeto que já beneficia e é referência da cidade, o xerife de Paulínia anda na contramão, desperdiça dinheiro público e atrasa a vida da população. Total inversão de valores.

VIDA E MORTE

Novembro/2011- Uma mulher que vive e paga seus impostos em Paulínia teve a fratura exposta de seu braço calçada com um cabo de vassoura porque não tinha tala no Pronto Socorro.Outra questão repugnante é a falta de tratamento para as pessoas com câncer na cidade. Enquanto os pacientes ficam sem a quimioterapia porque falta o remédio que vai no procedimento e porque a Prefeitura não pagou a clínica responsável pela realização, a secretária de Saúde tem a coragem de ir à televisão dizer que o atendimento está normal. Eu fico pensando: então os pacientes estão mentindo? Estão reclamando e se negando a receber tratamento? Enquanto a Prefeitura mantém a ladainha, todos nós sabemos que o câncer não espera. Até onde vai essa incompetência?

VIRARAM DONOS

Novembro/2011- Autorizados pela Prefeitura, os donos do SWU tomaram conta do Brasil 500. Após derrubar a Concha Acústica, como se fossem donos também do espaço público que é de todos nós, só deixaram os ambulantes de Paulínia trabalhar como caixeiros e a meio quilômetro do evento. Além de despejar dinheiro público no festival como patrocinadora máster, a Prefeitura de Paulínia deu carta branca para os empresários de fora fazerem o que quiserem da cidade. Quando que o prefeito daria essa oportunidade ao empresário e o comerciante paulinense? Nunca, como não deu até agora!

COBRAR É PRECISO

Outubro/2011 – A verdade é que nenhum prefeito que teve as mesmas oportunidades de administração de Edson Moura realizou um décimo do que ele fez por Paulínia, pela população de Paulínia. Todos eles passaram inventando e tapando os próprios buracos e quando saem do poder, a cidade não muda em nada. Estou mentindo ao dizer que Paulínia é a cidade que tornou-se referência em estrutura pública enquanto Edson Moura governou? Não, não estou.

SUJEIRA PURA

Setembro/2011 – Acompanhar a administração pública que se faz em Paulínia está ficando cada vez mais revoltante. Não sei como as autoridades fiscalizadoras ainda não foram bater na porta da Prefeitura para questionar os gastos absurdos que o prefeito vem fazendo sem a menor consideração pelo orçamento público. Vocês sabiam que o sistema de monitoramento por câmeras que ele quer implantar em Paulínia custa R$ 23,5 milhões? E que o de Praia Grande, que serve de modelo, não custou nem R$ 1 milhão? E que o da Unicamp, com 262 câmeras, uma cada 50 metros, custou R$ 3 milhões?

CONCURSO FAJUTO

Agosto/2011- O último concurso realizado pela Administração foi cancelado pelo Ministério Público. Com promessa de vagas para agente de saúde, enfermeiro e assistente social, 29 mil pessoas se inscreveram e na data da prova, tiveram uma grande decepção: não havia organização, tudo estava uma bagunça. Se tivesse feito com vontade e com organização, isso não teria acontecido. Mas, para o prefeito, é só mais um escândalo!

SAQUES MILIONÁRIOS

Julho/2011 – Os terrenos doados pela Prefeitura chegam a valer R$ 3,3 milhões e uma das empresas beneficiadas, a Sadtec Construções do Brasil Ltda, além de ter um capital social declarado para a Justiça de apenas R$ 50 mil, tem apenas dez meses de firma aberta e quer receber um terreno de 52 mil metros quadrados. Fora isso, enquanto todas as outras empresas tiveram cada metro quadrado avaliado em R$ 160, para a Sadtec, o valor é de R$ 60 o metro quadrado. Estranho não é? (Nota: nossos questionamentos fizeram a Sadtec ser excluída da doação)

NOTAS RELEVANTES

Junho/2011 – Vale lembrar que as 593 casas que o Pavan disse que vai entregar com carnês de décadas para a população pagar serão erguidas numa área que o prefeito Edson Moura desapropriou.E a Prefeitura nem vai construir. Quem vai construir é a Caixa Econômica Federal. Ou seja, quem investiu os recursos da cidade nesta obra? Foi o prefeito Edson Moura! Mais uma mostra de que Pavan ainda não consegue imprimir sua marca na sua própria administração.

VERGONHA DA CASA

Maio/2011 – Fico imaginando como é que estão se sentindo as famílias tradicionais de Paulínia diante do um governo tão sem liderança e mal intencionado de Pavan Junior, principalmente aqueles que conheceram o Pavan pai e que um dia chegaram a rejeitar Edson Moura por ele ser um forasteiro. Depois de falir a fazenda herdada do pai, Pavan vai sucumbir com a Prefeitura de Paulínia. Infelizmente, até por respeito às famílias tradicionais, precisamos reconhecer que o herdeiro da casa não é um homem que goste de trabalhar. O problema, na verdade, é esse!

RODEIOS x IDOSOS

Abril/2011 – Ao invés de dialogar, tentar explicar, sei lá, dar um posicionamento para o povo, o prefeito fica dando voltas, pulando em círculos, ou seja, promovendo seu tão adorado rodeio também dentro da Prefeitura. É tudo tão festa para ele que esta semana tivemos de ouvir pela televisão a secretária de Saúde de Paulínia, Dra. Mônica Focesi, dizer que os idosos vão ao asilo para morrer. Que barbaridade!