Início Uncategorized A DEMOLIÇÃO É COISA SÉRIA

A DEMOLIÇÃO É COISA SÉRIA

Enquanto alguns veículos de comunicação escondem a verdade e até deturpam as notícias sobre a demolição da Concha Acústica em favorecimento de sua saúde financeira, a gente vai fazendo o trabalho de formiguinha, multiplicando nossa força para fazer a população enxergar o que realmente existe por trás dessa trama toda. Primeiro que a destruição não tem respaldo profissional nem jurídico e segundo porque é a perseguição política mais sem sentido que já se passou em Paulínia.

PRAZO E PACIÊNCIA NO FIM

Do mesmo jeito que fez quando apresentou, não sabemos de onde ainda, uma documentação dizendo que estava agindo legalmente para comprar e entregar combustível para o rodeio do mês passado, a administração vai ter de rebolar para trazer a Concha ao chão. Obviamente, não vamos deixar que qualquer papel fajuto timbrado com a assinatura de quem se interessa pelo resultado seja simplesmente encarado como prova. O prazo da Justiça está esgotando e paciência do povo também. Nenhuma das situações, nem do combustível nem da Concha, ficará sem as devidas respostas!

O DESCRÉDITO DO PREFEITO

O atual prefeito está tão sem razão que por muito pouco ficou sem partido político para tentar se candidatar no ano que vem. É a derrocada batendo em sua porta com bastante antecedência, sinal de que a população de Paulínia e as lideranças da cidade estão saturadas de discursos e da falta de ação. O descrédito é tanto que, enquanto ele teve de fugir para o partido de seu então adversário em 2008, o ex-prefeito Edson Moura já tem 10 partidos ao seu lado. Coincidência? Não! Reconhecimento!

O CRÉDITO DE EDSON MOURA

Não é novidade para ninguém que o atual prefeito só se elegeu por força do apoio de Edson Moura. É em Moura que a população e as lideranças políticas confiam. E não fica difícil saber o porquê de 10 partidos virem até ele e apenas um ter aberto as portas para o atual prefeito, afinal, enquanto Moura construiu a Paulínia com a grandeza que a conhecemos, o xerifinho da fazenda só pensa em descer a marreta nas obras que fizeram a cidade virar referência de gestão pública, de bom atendimento à população.

TODOS ABRINDO OS OLHOS

É essa diferença toda, aliás a diferença do amor e o respeito de Moura pela população e a indiferença do atual governo pelas pessoas e pelo dinheiro público que nos move, que nos faz manter esse trabalho de formiguinhas para que os olhos da população estejam em alerta. Não é à toa que o vereador Bonavita tomou a decisão de se juntar de novo a Moura. O atual governo não representa a população e muito menos suas necessidades, está preocupado demais em organizar festas e transformou em esmola a saúde, a educação e toda estrutura pública da cidade.

POR FALAR EM ESMOLAS

A maioria dos vereadores continua em cima do muro. Será insegurança? Será que escondem o que pensam porque têm medo do que a população vai pensar? É, certamente, a reeleição de alguns vai ser muito complicada. E olha que tem gente lá pensando em ser prefeito, como é o caso do Palito. Não duvido nada, inclusive, que ele seja o candidato do atual governo, afinal, até mais prestígio que o prefeito, Palito tem. Mas, quem pensa só em si tem vida curta na política e como Palito assina e aceita tudo o que o atual governo faz, os dois são farinha do mesmo saco. E o povo não é bobo!

E TEM MAIS UM DETALHE

Esse pessoalzinho que resolveu correr de seus partidos, até mesmo o prefeito, pode muito bem perder seus mandatos, porque ainda não existe legislação para evitar traição pessoal, mas existe lei para exigir fidelidade partidária, ou seja, se resolver sair de um partido, precisa arcar com a consequência de lhe devolver a vaga que ele o concedeu para se candidatar. E, se a Justiça se atentar à dança das cadeiras que aconteceu em Paulínia até a semana passada, vai perceber muito bem que tanto o prefeito, quanto alguns vereadores, não estão mais ocupando seus cargos legalmente. É esperar para ver!

Pense mais

Uma pessoa é capaz de conseguir qualquer coisa se o seu entusiasmo não tiver limites. (Charles Schwab)