Início Política Du Cazellato é contra a incorporação do abono dos servidores

Du Cazellato é contra a incorporação do abono dos servidores

O vereador Du Cazellato, que é pré-candidato a prefeito nas eleições suplementares, votou contra o projeto de incorporação do abono de R$ 1 mil reais pago aos servidores públicos de Paulínia. A proposta foi votada na última segunda-feira (10), em sessão extraordinária.
Além de Calezzato, os vereadores Fábia Ramalho, Danilo Barros, Fábio Valadão, Flávio Xavier, João Mota, Manoel Filhos da Fruta e Marquinho Fiorela também votaram contra o projeto.
Nenhum vereador se manifestou sobre o voto. O parecer da Procuradoria da Câmara concluiu que a incorporação do abono em si é legal. O Sindicato dos Servidores Públicos de Paulínia afirma que a incorporação é legal uma vez que hoje a folha de pagamento está em 51,6% com projeção para cair mais 3% por efeito da PL 05/2019.
“A Câmara de Vereadores não pode comandar a cidade. Vereadores tem por dever fiscalizar o Prefeito eleito pelo voto do povo. Estão fazendo tudo errado. Câmara de Vereadores dividida entre grupos que querem comandar a prefeitura e a câmara, podem cometer erros irreparáveis a cidade, a população e aos servidores”, comentou o especialista político, João Natanael.
Justificativa
Depois de se acovardar e não justificar seu voto durante a sessão, Cazellato postou um texto sobre o assunto em sua página no Facebook, mas foi duramente criticado pelos internautas. Veja alguns comentários:
“Du Cazelatto, gostaria de dizer que sempre tive muito respeito e admiração por sua conduta, principalmente quando fez o projeto relativo ao Instituto de previdência do município! Porém é muito triste e decepcionante quando vejo que seus interesses políticos estão acima do bem estar e direito dos servidores municipais”, Marcia Regina Ambrozini
“Du Cazelatto é com imenso pesar que venho escrever meu total descontentamento a sua postura! Dar um passo para trás foi o que você fez hoje, porque não usou o microfone? Porque não justificou tudo isso na sessão? Porque não fez emendas necessárias ao projeto? Porque não conversou com servidores? Enfim, por que não deixou a politicagem de lado e preservou sua imagem diante do servidor que tinha apreço por você? Toda escolha de fato tem uma consequência, existe a LRF para ser respeitada e você sabe muito bem que está no limite presencial, mas você não quis fazer o certo, você fez foi dar um tiro no pé”, Sandra Ariadne

“Menospreza nossa inteligência. Mentiu quando disse que estava do lado do servidor”, Emerson Fagundes

Artigo anteriorSancetur utiliza área do prefeito de Americana como garagem
Próximo artigoLoira e Passaredo renovam contrato emergencial com valor 35% maior