Início Política Prefeitura cancela pela 3ª vez licitação para contratar empresa de ônibus

Prefeitura cancela pela 3ª vez licitação para contratar empresa de ônibus

A Prefeitura de Paulínia cancelou pela 3ª fez a licitação que escolherá a concessionária que irá operar pelos próximos 10 anos o transporte público coletivo de passageiros na cidade. O cancelamento foi feito na quinta-feira (23), dia em que estava marcado para acontecer a abertura dos envelopes.
O adiamento da abertura dos envelopes não foi publicado na edição desta quinta-feira do Semanário Oficial de Paulínia. Até a publicação da reportagem, Loira não havia dado nenhuma declaração ou explicação sobre o que o levou a adiar a concorrência pela terceira vez em 120 dias de sua administração provisória. O interino já havia mudado neste ano a data da abertura dos envelopes em 24 de janeiro; depois desmarcou o dia 7 de maio; e, agora, barrou o processo nesta quinta-feira.
O Grupo Passaredo opera o transporte municipal de Paulínia há cerca de 20 anos. O primeiro contrato foi assinado em 1999, pelo período de 10 anos. Em 2009 foi prorrogado, amigavelmente, por mais oito, o que levou, em 2015, o Ministério Público a abrir Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa e pedir a realização de concorrência pública.
Desde então o serviço é prestado por meio de contratos emergenciais a cada seis meses. Hoje está nas mãos da Viação Flama, do Grupo Passaredo. No último dia 12, a Prefeitura de Paulínia deu de presente de Dia das Mães à Flama R$ 3 milhões. Loira aumentou 22,81% (de R$ 2,85 para R$ 3,50) o valor da tarifa e 35,71% (de R$ 8,4 milhões para R$ 11,4 milhões ao ano) o subsídio que o Município paga à empresa para ela manter na catraca a passagem a R$ 1.

Licitação
O valor total estimado do novo contrato com a empresa que vai operar pelos próximos 10 anos o transporte público coletivo de passageiros em Paulínia, prorrogável por mais 10, é de R$ 383,8 milhões. Os serviços prestados pela nova concessionária serão remunerados pela cobrança da tarifa fixada pela Prefeitura. Ela não poderá ser superior a R$ 4,20, fundamentada nos estudos do Município. Também estão previstas bilhetagem eletrônica, sistema de biometria facial e controle de posição do veículo.

Artigo anteriorMizael Marcelly rebate acusações do vereador Fábio Valadão
Próximo artigoLoira e ex-vereadores terão que ressarcir cofres públicos