Início Região Vice-presidente do sindicato dos Rodoviários denuncia falta de manutenção nos ônibus da...

Vice-presidente do sindicato dos Rodoviários denuncia falta de manutenção nos ônibus da Sou Indaiatuba

A empresa, do Grupo Sancetur, permite que muitos carros circulem sem condições de uso e ainda estaria cobrando dos motoristas problemas relacionados à má conservação

O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e Região, Izael Soares de Almeida, denunciou ao Jornal Tribuna a falta de manutenção adequada nos ônibus da empresa Sou Indaiatuba, que opera o transporte coletivo urbano no município.
O representante da entidade contou que, no início deste semana, esteve na antiga rodoviária da cidade, conhecido ponto de “rendição” de motoristas e cobradores da empresa. Segundo Almeida, além dele ter ouvido inúmeros relatos que ratificam a completa falta de manutenção dos carros, ele recebeu denúncias de funcionários sobre o fato de que a Sou Indaiatuba estaria cobrando dos motoristas por qualquer pneu estourado, sem critério algum, já que muitos garantem que os ônibus da empresa rodam no trânsito da cidade em péssimo estado de conservação, com pneus completamente carecas.
O próprio vice-presidente do sindicato pode constatar a situação, ao verificar os ônibus estacionados no local. Ele enviou ao jornal um vídeo curto, para mostrar o estado de um dos pneus de um coletivo, estacionado nesse ponto de parada de funcionários da Sou Indaiatuba. Na gravação, é possível verificar o pneu com uma superfície bastante lisa, já quase sem os sulcos da parte externa.
“O que é mais lamentável, é que sabemos que existe um acordo da empresa com a turma de Campinas (se referindo à presidência do sindicato em Campinas), onde é dada carta branca para o empresário cobrar essas avarias”, garante o vice-presidente da entidade. Mas Izael Almeida reafirma, baseado em relatos dos trabalhadores, que casos como esse não podem ser caracterizados como avarias, mas sim problemas decorrentes de carros que não possuem condições de uso, nem de segurança, mas que continuam rodando na frota da empresa.“É uma bomba-relógio. O povo de Indaiatuba tem que saber disso, que estão andando em uma bomba-relógio”, garante Izael Almeida.
O vice-presidente do sindicatos dos Rodoviários disse que vai buscar, junto a órgãos competentes, os meios para a realização de uma fiscalização geral nos ônibus da Sou Indaiatuba e de outras empresas do Grupo Sancetur.
O artigo 30 da Constituição Federal deixa claro que a competência do transporte intermunicipal, de uma cidade para outra, é do governo do Estado. Já o transporte urbano, dentro de uma cidade, é de responsabilidade do próprio município, o que significa que as prefeituras são obrigadas a oferecer transporte coletivo para a população e, ainda, tem o dever de dar concessão, permissão e fiscalizar, caso o serviço seja executado por empresas particulares.

Vereador pede limpeza nos aparelhos de ar condicionado dos coletivos de Indaiatuba

O vereador Alexandre Peres, da Câmara Municipal de Indaiatuba, enviou ofício ao setor de Relações Institucionais e Comunicação da prefeitura do município, aos cuidados do Diretor do Departamento de Transportes Coletivos, Sílvio Roberto Lima, solicitando que a administração interceda, junto a empresa Sou Indaiatuba, pela “limpeza e manutenção do ar condicionado dos ônibus”. Na solicitação, elaborada no dia 20 de julho e recebida na prefeitura de Indaiatuba no dia 24 do mesmo mês, o vereador informa que “há reclamações quanto à limpeza dos aparelhos de ar condicionado, munícipes disseram passar mal no interior dos veículos, por motivo respiratório, pois estão respirando um ar muito sujo. Os usuários do transporte coletivo nos informam que, além da sujeira do ar condicionado, é visível que alguns aparelhos precisam de manutenção, pois aparentemente estão incorretamente instalados no teto do veículo”.

Outro lado

O Jornal Tribuna pediu um posicionamento ao setor de marketing da Sancetur, sobre as denúncias, mas a empresa não respondeu aos questionamentos da reportagem até o fechamento dessa edição.
A Prefeitura de Indaiatuba também não respondeu nossos questionamentos no prazo estipulado, até a última sexta-feira.